Analista norte-americano explica como Ucrânia se prejudica com sanções contra Rússia

© Sputnik / Valery MelnikovPonto de passagem da fronteira Izvarino na região de Lugansk após tiroteio, 21 de junho de 2014
Ponto de passagem da fronteira Izvarino na região de Lugansk após tiroteio, 21 de junho de 2014 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As sanções que a Ucrânia impôs contra a Rússia resultaram em um impacto negativo para os próprios ucranianos, escreveu o cientista político norte-americano Nicolai Petro da revista The National Interest.

Petro lembrou que desde 2014 as autoridades de Kiev tomaram uma séria de medidas restritivas contra Moscou, como a recusa em comprar gás diretamente da Rússia, a imposição de sanções contra instituições bancárias russas e sistemas de pagamento, o bloqueio de redes sociais e canais de televisão e a proibição de comunicação aérea entre os dois países.

Entretanto, segundo o cientista político, as empresas que ficaram sob sanções ucranianas continuam funcionando normalmente, enquanto o povo ucraniano sentiu todo o efeito negativo no próprio bolso.

Militares ucranianos participam dos exercícios - Sputnik Brasil
Kiev se gaba do 'poder' de suas Forças Armadas: 'Rússia se engasgará com próprio sangue'
Ele observou que a Rússia permanece sendo a principal investidora da Ucrânia. Apesar das autoridades de Kiev tentarem impedir a normalização das relações comerciais com seu vizinho, suas contas bancárias encontram-se praticamente sem recursos financeiros.

Anteriormente, a Bloomberg informou que as contas do Ministério das Finanças da Ucrânia tinham a menor reserva de fundos nos últimos quatro anos e os planos para preencher o orçamento foram frustrados, ameaçando a se transformar em caos.

A Ucrânia aplicou medidas restritivas em relação às pessoas físicas e jurídicas russas em setembro de 2015, contra os sistemas de pagamento russos em 2016 e cinco instituições estatais bancárias sofreram sanções em 2017. Ao mesmo tempo, foram estabelecidas restrições contra alguns meios de comunicação.

A Rússia afirmou repetidamente que não faz parte do conflito na Ucrânia e expressa prontidão para a promoção de um acordo pacífico em Donbass, garantindo direitos e interesses legítimos dos moradores dessas regiões.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала