Americanos acusam Ucrânia de traição por fornecer motores de caças à China

CC BY-SA 4.0 / Xu Zheng / Hongdu L-15 FalconCaça de treinamento avançado chinês L-15 Falcon
Caça de treinamento avançado chinês L-15 Falcon - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Ucrânia vendeu motores para aviões de guerra chineses contrariando os interesses dos Estados Unidos, diz um artigo do jornal the Washington Times.

Na terça-feira, a mídia estatal chinesa anunciou o lançamento do novo caça de treinamento JL-10, também conhecido como L-15, que será usado por pilotos da Marinha embarcada para treinarem o pouso em porta-aviões. 

Avião de treinamento avançado L-15, foto do arquivo - Sputnik Brasil
Este caça pode estar prestes a conquistar toda a América Latina e África
Porém, sublinha o jornal americano, a mídia chinesa omitiu em sua notícia sobre os primeiros 12 Jl-10 que os aviões são equipados com motores ucranianos.

Segundo detalha o The Washington Times, o acordo foi firmado em 2016 com a empresa ucraniana Motor Sich, que já forneceu 20 motores. O contrato de venda prevê o fornecimento ao todo de 250 motores deste tipo.

William C. Triplett, especialista em assuntos chineses e ex-conselheiro do Comité das Relações Exteriores do Senado americano, comentou as informações para a edição, sublinhando que, desta maneira, Kiev ajuda Pequim a resolver os problemas de produção de motores a jato.

"Basicamente, os ucranianos estão conseguindo dinheiro dos contribuintes dos EUA e, ao mesmo tempo, esfaqueiam nas costas a Marinha americana", afirmou Triplett.

Rick Fisher, analista do Centro Internacional de Avaliação e Estratégia, por sua vez afirmou que Washington precisa de pressionar Kiev para bloquear o acordo de venda de motores.

Porta-aviões chinês Liaoning realizando exercícios no mar do Sul da China acompanhado por fragatas e submarinos (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Pentágono: China amplia força naval para se contrapor aos EUA
As notícias surgem logo após o presidente norte-americano, Donald Trump, ter assinado o novo orçamento de defesa que prevê uma ajuda militar de 250 milhões de dólares para a Ucrânia, incluindo o fornecimento de "armas letais".

No ano passado, o jornal The New York Times informou, citando dados secretos da inteligência norte-americana, que a Coreia do Norte podia ter adquirido, através do mercado negro, motores para mísseis balísticos produzidos pela empresa ucraniana Yuzhmash.

Kiev, por sua parte, primeiro afirmou que a empresa ucraniana não produz tais equipamentos, mas depois sugeriu que os motores poderiam ter sido copiados em "algum outro país" e acabar nas mãos de Pyongyang através da China.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала