Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'EUA não têm capacidade econômica para competir com China' na América Latina

© AP Photo / Eraldo PeresSecretário de Defesa dos EUA, James Mattis, inspeciona a guarda de honra antes de seu encontro com o ministro da Defesa do Brasil, Joaquim Silva e Luna, Brasília, 13 de agosto de 2018
Secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, inspeciona a guarda de honra antes de seu encontro com o ministro da Defesa do Brasil, Joaquim Silva e Luna, Brasília, 13 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga no
A turnê sul-americana do secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, é mais uma evidência da reativação da doutrina Monroe, política externa que considera a América Latina como um território de influência de Washington, opinou para a Sputnik o analista internacional Sergio Rodríguez Gelfenstein.

Um dos pontos mais relevantes da agenda de Mattis é tentar reverter a importância da China como aliado estratégico da região. Ultimamente tem sido registrado um crescente intercâmbio comercial entre Pequim e América Latina, assim como numerosos investimentos chineses em infraestruturas e programas de cooperação na área tecnológica.

Washington vê isso como uma ameaça ao seu poder na região, acredita Rodríguez Gelfenstein. Por isso, acha, os EUA optam por "ressuscitar a doutrina Monroe", ou seja, "a necessidade, em termos geoestratégicos, de controlar o que eles consideram o seu 'pátio traseiro'".

Secretário de Estado norte-americano James Mattis gestures durante a conferência de imprensa sobre a campanha contra o Daesh no Pentágono, Washington, 19 de maio de 2017 - Sputnik Brasil
O que secretário de Defesa dos EUA quer do Brasil?
Estas orientações da política externa, que se costumam resumir na frase "A América para os americanos", datam do século XIX, quando crescia a influência britânica e de outros países europeus na região contígua aos EUA. Hoje em dia, segundo Rodríguez Gelfenstein, "o inimigo não é mais a Grã-Bretanha, mas a China e a Rússia".

Os laços comerciais e os investimentos chineses se multiplicam exponencialmente na Ásia e na África. Na Europa, surge uma situação de tensão: por um lado, estão as exigências dos EUA e,por outro, os países não podem deixar de fazer comércio com a China nem de comprar gás da Rússia ou petróleo do Irã.

"Então, os Estados Unidos têm que tentar controlar seu espaço 'natural' que é a América Latina. Para isso estão empregando um esforço maior, embora já seja impossível [para os EUA] competir com a China em termos econômicos", disse Rodríguez Gelfenstein.

"A presença da China está crescendo e potencialmente vai ser muito maior. Os EUA não têm capacidade econômica para competir. Então a única coisa que podem fazer é o caminho da força, o caminho da ameaça e da chantagem", acrescentou.

A situação econômica mundial, em particular o crescente protecionismo por parte de Washington, faz com que os países latino-americanos busquem investimentos e recursos em outros mercados. Atualmente "onde há dinheiro não é no Fundo Monetário Internacional, nem no Banco Mundial, mas na China", ressaltou o interlocutor da Sputnik Mundo

Venezuela, a "obsessão" dos EUA há 20 anos

O ponto principal da agenda de Mattis, segundo Rodríguez Gelfenstein, é chegar a acordo sobre uma linha dura contra a Venezuela — o chefe do Pentágono de fato propôs ao Brasil "liderar" a resposta regional à crise no país latino-americano.

Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Em meio à guerra comercial, China enviará delegação a Washington
Além de afirmações duras por parte de Mattis quanto a Caracas durante sua turnê sul-americana, o analista apontou para o "permanente cerco" feito à Venezuela, lembrando a reativação em 2008 da Quarta Frota da Marinha norte-americana no Caribe, a intenção de instalar novas bases militares na Colômbia e o fortalecimento da base já existente em Honduras, assim como a realização das manobras AmazonLog 17, quando "pela primeira vez na História" o Brasil, a Colômbia, o Peru e os EUA participaram de exercícios conjuntos na Amazônia brasileira.

"Estamos vendo uma ofensiva continuada que dura já quase 20 anos e que tem seus efeitos em termos políticos e diplomáticos", resumiu.

Bandeira da Colômbia - Sputnik Brasil
Colômbia se retira da Unasul
Quanto à escolha dos países da digressão de Mattis (Brasil, Argentina, Chile e Colômbia, nações críticas em relação a Caracas) o especialista afirmou o seguinte: "Não tem muita importância" o que dizem os líderes locais, é sim preciso "seguir as ações dos EUA, que são o chefe destes países".

Por outra parte, Rodríguez Gelfenstein sublinhou as tentativas de vários Estados de enterrar a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), projeto de integração que teve o Brasil como "pai".

"Se havia uma coisa que funcionava bem e de maneira rápida na Unasul era a comissão que agrupava os intercâmbios entre as forças armadas, entre as quais as brasileiras tinham o papel mais importante. [Michel] Temer a abandonou, reduziu seu orçamento e fez o que nenhum outro presidente do Brasil tinha conseguido — subordinar as Forças Armadas brasileiras à lógica dos Estados Unidos", concluiu. 

Nesta segunda-feira (13), o secretário de Defesa dos Estados Unidos iniciou sua primeira visita à América do Sul, escolhendo como primeiro país o Brasil, onde teve reuniões com o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, e das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, para debater assuntos de interesse bilateral e regional.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала