Maduro indica objetivo do ataque contra ele

Nos siga noTelegram
O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, afirmou que a tentativa de atentado contra ele buscava afundar o país na violência.

"Depois destas horas, que se passaram depois do atentado terrorista e criminoso que pretendeu nos matar, não só assassinar o presidente […] mas, sim, matar um país, a luz da paz […] a ideia de democracia como fórmula suprema de vida […] encher de violência a vida política e social da Venezuela", afirmou o líder do país no salão Ayacucho do Palácio de Miraflores, sede da Presidência em Caracas. 

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e sua esposa, Cilia Flores, durante uma parada militar em Caracas em 4 de agosto de 2018 - Sputnik Brasil
Maduro espera que Trump não permita planejamento de assassinatos de líderes estrangeiros
Além disso, Maduro mostrou o capelo militar de um dos militares, furado pelo explosivo de um dos drones, bem como uma bola metálica com vestígios de sangue que atingiu a cabeça de um dos soldados.

De acordo com o mandatário, no ataque estavam envolvidos dois grupos terroristas, a detenção dos primeiros suspeitos ocorreu de 10 a 15 minutos depois da tentativa de assassinato.

Ele também solicitou a ajuda do povo venezuelano na captura dos participantes do ataque que ainda não foram detidos. 

No sábado (4), quando Maduro discursava em um desfile militar, em homenagem aos 81 anos da criação da Guarda Nacional Bolivariana (GNB), no céu explodiram vários drones. Maduro saiu ileso.

Iván Duque, em comício na Colômbia, em 10 de junho de 2018. - Sputnik Brasil
Após ataque contra Maduro, Colômbia proíbe uso de drones durante posse de Iván Duque
Posteriormente, o presidente acusou a oposição e autoridades colombianas de terem organizado o atentado. O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia desmentiu as acusações do líder venezuelano. Além disso, a Casa Branca também negou envolvimento na tentativa de assassinato de Maduro. 

Mais tarde, o grupo autodenominado Movimento Nacional Soldados de Flanelas assumiu a responsabilidade pela explosão.

Em entrevista à Sputnik, Aleksandr Chichin, diretor da Faculdade de Ciências Econômicas e Sociais da Academia de Economia Nacional e Administração Pública russa, assinalou que, por enquanto, a oposição, que é "completamente desintegrada" na Venezuela, incluindo o Movimento Nacional Soldados de Flanelas, que assumiu a responsabilidade pelo ataque, não representa ameaça séria para o presidente.

Em sua opinião, o "maior problema para o mandatário é a economia do país". 

Entretanto, de acordo com ele, certa ameaça para Maduro vem de Washington. Ele recordou que o presidente norte-americano, Donald Trump, já tinha avisado que os EUA recorrerão a quaisquer medidas, inclusive militares em relação à Venezuela.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала