Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Irmãos em guerra: galeses lutaram em lados opostos nas Malvinas

© AFP 2021 / Daniel GarciaSoldados argentinos caminhando para ocupar a base capturada dos Royal Marines (fuzileiros reais em português) em Porto Argentino/Port Stanley poucos dias após a ditadura militar argentina ter tomado as ilhas Malvinas, iniciando uma guerra entre a Argentina e o Reino Unido, 13 de abril de 1982
Soldados argentinos caminhando para ocupar a base capturada dos Royal Marines (fuzileiros reais em português) em Porto Argentino/Port Stanley poucos dias após a ditadura militar argentina ter tomado as ilhas Malvinas, iniciando uma guerra entre a Argentina e o Reino Unido, 13 de abril de 1982 - Sputnik Brasil
Nos siga no
A comunidade galesa reside na Argentina há 153 anos. Seus membros se consideram patriotas da nação sul-americana desde há muitas décadas e lutaram a favor do país platino na Guerra das Malvinas. Foi precisamente nesse conflito armado que a comunidade galesa se viu do lado oposto de seus irmãos do País de Gales.

A Sputnik Mundo entrevistou Milton Rhys, um ex-militar argentino de origem galesa que compartilhou suas experiências durante a guerra.

A Russian-made Sukhoi Su-30MKV fighter jet of the Venezuelan Air Force flies over a Venezuelan flag tied to missile launchers, during the Escudo Soberano 2015 (Sovereign Shield 2015) military exercise in San Carlos del Meta in the state of Apure - Sputnik Brasil
Venezuela movimenta tropas, 10 países repreendem e Brasil é último a saber
Em 1982, a Argentina era governada por um governo militar liderado pelo presidente Leopoldo Galtieri, que tinha sido nomeado pelo denominado Processo de Reorganização Nacional, que chegou ao poder em 1976.

Segundo Denis Lukyanov, da Sputnik Mundo, Rhys se especializou como operador de rádio e comunicações. Além disso, os líderes militares sabiam que ele era bilíngue e falava inglês. Como resultado, ele foi enviado para as Malvinas como operador de rádio bilíngue. O descendente de galeses era o único em seu distrito militar que foi para a guerra.

"Por quase duas semanas ninguém realmente acreditou que os britânicos estavam vindo, porque durante muitos anos não se deu importância a essas ilhas. Finalmente soube que eles estavam vindo realmente, já que eu estava na Casa de Governo onde o governador militar [das Malvinas] Mario Menéndez mantinha seu escritório. Eu ouvia e via muita informação que transitava por ali", comentou Rhys.

Segundo o ex-militar, os argentinos sabiam que as tropas britânicas eram muito superiores em tecnologia, mas o que prejudicou o exército do país latino-americano foi a posição do Chile, que estava do lado dos britânicos.

Militares angolanos durante competições Biatlo de Tanques 2014 no polígono Alabino, região de Moscou, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Angola, um aliado fiel da Rússia que pode ajudar a estreitar laços com África
A Guerra das Malvinas foi muito peculiar pelo fato de os galeses terem lutado tanto do lado da Argentina como do Reino Unido. Os soldados argentinos de ascendência galesa eram provenientes da província de Chubut, na Patagônia, enquanto os galeses britânicos faziam parte do regimento de granadeiros da Guarda de Gales.

Rhys enfatizou que durante o transcorrer da guerra as tropas galesas foram proibidas de falar em idioma galês, porque eles já sabiam que poderiam cruzar com "inimigos" que falavam a mesma "antiga língua celta".

Ao discutir a questão de seus sentimentos em relação às tropas do Reino Unido, Rhys disse que nunca teve dúvidas sobre sua visão do inimigo.

"Eu considero que eles sempre foram invasores, tanto do nosso território argentino como de outros lugares no mundo", proclamou.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала