Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Trump foi aconselhado por Henry Kissinger a se aproximar da Rússia para conter China

© AP Photo / Evan VucciDonald Trump se encontra com o Henry Kissinger, ex-Secretário de Estado e Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Richard Nixon, no Salão Oval da Casa Branca.
Donald Trump se encontra com o Henry Kissinger, ex-Secretário de Estado e Conselheiro de Segurança Nacional do Presidente Richard Nixon, no Salão Oval da Casa Branca. - Sputnik Brasil
Nos siga no
O ex-secretário de Estado Henry Kissinger é mais conhecido por seu conceito de diplomacia triangular, usado por Washington durante o governo Nixon para romper a aliança sino-soviética em 1970 e melhorar as relações dos EUA com Pequim.

Henry Kissinger aconselhou o presidente Donald Trump a tentar melhorar as relações com a Rússia em uma tentativa de isolar a China durante a transição presidencial no final de 2016 e início de 2017, disseram cinco fontes ao jornal The Daily Beast.

Interceptor de mísseis lançado do cruzador USS Lake Erie da Marinha dos EUA perto do Havaí - Sputnik Brasil
EUA pretendem desenvolver tecnologias do futuro para se contrapor à Rússia e China
Kissinger ofereceu um conselho semelhante ao conselheiro sênior do Trump, Jared Kushner. Membros da Casa Branca e do Capitólio disseram ao periódico que funcionários do Departamento de Estado, do Pentágono e do Conselho de Segurança Nacional propuseram uma estratégia similar a Trump.

Uma fonte disse que "olhando a longo prazo, há uma crença no governo de que Moscou verá Pequim como seu maior inimigo geopolítico — assim como Washington faz agora — e que poderia estabelecer uma reaproximação com os EUA". 

"Mas [este cenário] está muito longe no futuro", acrescentou a fonte.

Kissinger expressou seu apoio à cúpula da semana passada entre os presidentes Putin e Trump em Helsinque, mas lamentou que a reunião tenha sido "submersa por questões domésticas americanas".

"Foi uma reunião que teve que acontecer. Defendi isso há vários anos", afirmou Kissinger. Salientando que as nações enfrentam hoje um "período muito, muito grave para o mundo", o ex-secretário de Estado disse que Trump "pode ​​ser uma daquelas figuras na história que aparece de tempos em tempos para marcar o fim de uma era e forçar desistir de suas antigas pretensões".

De acordo com fontes do Daily Beast, estrategistas norte-americanos que promovem um pivô rumo à Rússia também procuraram engajar as Filipinas, Índia, Japão, países do Oriente Médio e outros atores para servir como um "contrapeso" à suposta ameaça chinesa à hegemonia dos EUA.

Ministério da Defesa da Rússia informa que navios da Frota do Pacífico russa chegaram à China para participar nos exercícios navais Interação Naval 2016 - Sputnik Brasil
Departamento de Estado americano acusa China e Rússia de tentarem 'romper Ocidente'
A praticidade da visão de Kissinger de transformar a Rússia em inimiga da China parece longe da realidade. No mês passado, o presidente Putin fez uma visita de Estado a Pequim a convite do presidente Xi, onde afirmou que a cooperação com a República Popular da China atingiu "um nível sem precedentes". Em Pequim, Putin assinou inúmeros acordos econômicos e tratados de cooperação em energia nuclear, pesquisa espacial e no Ártico. Moscou e Pequim também anunciaram sua intenção de aprofundar a cooperação estratégica e a coordenação diante de uma "situação internacional complexa".

Após a cúpula da semana passada entre Putin e Trump, um ex-funcionário do governo Trump disse que o presidente estava tentando fazer uma reversão da "jogada Nixon-China". O funcionário acrescentou que a Rússia e a China estavam "se aproximando", e advertiu que seria "uma combinação letal" para os Estados Unidos "se os dois [países] estiverem juntos".

© Sputnik / Sergei Guneev / Abrir o banco de imagensVladimir Putin e Xi Jinpuing são vistos durante um encontro em Pequim em 3 de setembro de 2015
Vladimir Putin e Xi Jinpuing são vistos durante um encontro em Pequim em 3 de setembro de 2015 - Sputnik Brasil
Vladimir Putin e Xi Jinpuing são vistos durante um encontro em Pequim em 3 de setembro de 2015

As relações entre os EUA e a China sofreram um impacto sob a presidência de Trump, com as tensões de longo prazo sobre o mar do sul da China sendo exacerbadas pela guerra comercial lançada pelo presidente em uma tentativa de melhorar a balança comercial. O governo chinês condenou a política tarifária de Washington e prometeu responder da mesma maneira. Trump usou ataques às relações comerciais durante a campanha presidencial de 2016.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала