Venezuela confia à Turquia seu ouro: mais um passo para colapso do dólar

© Sputnik / Oleg Lastochkin / Abrir o banco de imagensBarras de ouro
Barras de ouro - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Em 2018 o Banco Central da Venezuela (BCV) começou a refinar na Turquia o ouro que compra dos mineradores venezuelanos. Os especialistas opinam que é um passo certo do país latino-americano para acelerar a desdolarização e minar a hegemonia do dólar, bem como fortalecer as relações com Ancara.

Segundo Víctor Cano, ministro de Desenvolvimento Mineiro Ecológico da Venezuela, citado pela agência de notícias Reuters, neste ano o BCV comprou 9,1 toneladas de ouro dos mineradores do país.

Manifestantes tremulam um bandeirão da Venezuela em manifestação contra o presidente dos EUA, Donald Trump, em Caracas, Venezuela (agosto de 2017) - Sputnik Brasil
Venezuela ameaça organizar 'outro Vietnã' para EUA
Cano explicou que o país deixou de enviar ouro à Suíça devido às sanções impostas contra os funcionários do governo venezuelano.

Turquia como parceiro

Segundo Egor Lidovskoy, especialista em assuntos da América Latina e diretor do Centro Latino-Americano Hugo Chávez, as relações entre a Venezuela e Turquia têm um alto nível de confiança.

"[O presidente da Venezuela Nicolás] Maduro tomou uma decisão correta optando pela Turquia, porque todos sabem que a Suíça é um país aliado dos EUA e realmente poderia apropriar-se das riquezas venezuelanas se os EUA adotassem sanções. [Os suíços] são muito pouco fiáveis, tal como, em princípio, quaisquer outros países europeus, que são incapazes de seguir suas próprias políticas orientadas aos interesses nacionais", disse ele à Sputnik Turquia.

Dólar com bandeira dos EUA de fundo - Sputnik Brasil
Analista que previu crise de 2008 adverte: guerra comercial com China fará colapsar dólar
O especialista sublinhou que a Turquia segue uma política independente.

"Turquia é um Estado independente com um líder bastante forte para se opor à opinião dos sus parceiros da OTAN", declarou ele.

Para Lidovskoy, as relações entre a Turquia e Venezuela continuarão se fortalecendo porque a Venezuela "está sob uma grande pressão e, sem dúvidas, está buscando parceiros que estejam dispostos a cooperar de maneira honesta e aberta. Trata-se da Turquia, Rússia e China. Esses países se mostraram no placo internacional como países fiáveis".

Desdolarização

O vice-presidente para os assuntos econômicos do governante Partido da Justiça e Desenvolvimento da Turquia, Erdal Tanas Karagol, disse por sua vez que o ouro é uma alternativa importante ao dólar e sublinhou o aumento global da demanda por esse metal precioso.

Nota de cinco dólares em chamas - Sputnik Brasil
Cruzada da Rússia contra o dólar parece ser séria
Para o político turco, a cooperação entre a Venezuela e Turquia no processamento do ouro é um passo importante para a destruição de hegemonia do dólar.

"Obviamente, isso não é fácil porque estamos falando de um domínio de muitos anos do dólar como moeda de troca, como instrumento de poupança. Entretanto, os países em desenvolvimento estão esforçando-se para pôr fim à hegemonia do dólar e encontrar-lhe uma alternativa", revelou ele à Sputnik Turquia.

Frente antiestadunidense

O presidente do partido não parlamentar turco Vatan (Pátria), Dogu Perincek, revelou que a Turquia e Venezuela mostram sua solidariedade "em oposição à pressão dos EUA".

"No mundo se formou uma frente contra a hegemonia e a pressão estadunidenses, cuja geografia se estende desde a Venezuela até à China, e a Turquia aqui é um ator chave […] Entre a Turquia e a Venezuela existe uma solidariedade na oposição ao controle, ameaças e pressão dos EUA", disse ele à agência.

Ouro (imagem ilustrativa) - Sputnik Brasil
Alerta vermelha no mundo: reservas de ouro estão se esgotando?
Segundo o político, outros países da América do Sul também poderiam unir-se para confrontar os EUA.

"Os EUA estão convertendo-se em um país que, de fato, impôs um embargo contra si mesmo. As sanções contra o Irã, Rússia, Venezuela, Turquia, a guerra comercial contra a China, bem como as sanções comerciais contra a Alemanha… É evidente que os EUA estão isolando-se do resto do mundo. Como parte desse processo, outros países da América do Sul também poderiam unir-se à frente antiestadunidense que se está formando tanto na economia, como na política", concluiu ele.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала