Rússia fará o possível para libertar cidadã russa detida nos EUA, diz embaixador

CC BY-SA 2.5 / Asiir / Embaixada da Rússia nos EUA em Washington (foto de arquivo)
Embaixada da Rússia nos EUA em Washington (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Conforme o embaixador russo nos EUA, Anatoly Antonov, os diplomatas estão fazendo o possível para libertar a cidadã russa Maria Butina que foi detida em território americano.

"Quero os assegurar que estamos fazendo tudo para libertar o mais depressa possível a cidadã russa da situação em que ficou", frisou Antonov.

Ele adicionou que os serviços secretos estadunidenses estão perseguindo os cidadãos russos não só nos EUA, mas também em outros países, embora reconheça que nisso não é nada de novo.

Presidente russo, Vladimir Putin, e o líder norte-americano, Donald Trump, durante o encontro no Palácio Presidencial em Helsinque, Finlândia - Sputnik Brasil
'Eu não quero usar a palavra adversário', diz Trump sobre relações com Rússia
"Em princípio, não há nada de novo neste caso. Infelizmente, os serviços secretos norte-americanos estão perseguindo cidadãos da Rússia não só nos EUA, mas também no exterior", disse o diplomata a jornalistas.

O governo norte-americano anunciou em 16 de julho que Maria Butina foi acusada de conspiração para atuar como agente estrangeiro a favor de Moscou.

O Departamento de Justiça norte-americano, além de "conspiração a fim de trabalhar como agente estrangeiro não registrado", também lhe incrimina o "próprio trabalho como agente estrangeiro sem registro", o que aumenta a gravidade das acusações e o possível prazo de detenção.

De acordo com a acusação, desde o início de 2015 até pelo menos fevereiro de 2017, Maria Butina trabalhou sob a direção de um alto funcionário do governo russo que anteriormente havia sido membro do Parlamento da Federação da Rússia e, mais tarde, alto funcionário do Banco Central da Rússia. O indivíduo em questão foi alvo de sanções pelo Departamento do Tesouro dos EUA em abril deste ano.

O presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan olha para o presidente dos EUA Donald Trump enquanto ele assina medida que prevê a desaprovação do Congresso de uma regra apresentada pela Comissão de Valores Mobiliários sobre Divulgação de Pagamentos por Emissores de Extração de Recursos. No Salão Oval da Casa Branca em Washington, EUA, 14 de fevereiro de 2017 - Sputnik Brasil
Apesar de aproximação entre presidentes, EUA podem adotar mais sanções contra Rússia
As autoridades russas estão exigindo o acesso consular à cidadã.

Além do mais, Antonov disse aos jornalistas que no encontro em Helsinque entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o seu homólogo norte-americano, Donald Trump, não houve nenhuns acordos secretos.

"Vladimir Vladimirovich [Putin] contou tudo. Nos encontros em Helsinque, que eu saiba, não foram firmados quaisquer acordos secretos", ressaltou Antonov.

O primeiro encontro abrangente dos presidentes russo e norte-americano teve lugar em 16 de julho na capital finlandesa.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала