Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Brasileiro cria minicérebro com gene de Neanderthal para ajudar a prevenir o autismo

© Foto / Laboratório Muotri/ Universidade da Califórnia em San DiegoImagem em microscópio do minicérebro criado por cientista brasileiro
Imagem em microscópio do minicérebro criado por cientista brasileiro - Sputnik Brasil
Nos siga no
Minicérebros criados por cientista brasileiro com material genético do Homem de Neanderthal podem ajudar a prevenir o autismo. A afirmação é feita pelo autor do trabalho, o geneticista Alysson Muotri, em entrevista exclusiva à Sputnik Brasil.

A pesquisa inédita tem como objetivo compreender as diferenças entre o cérebro dos humanos modernos e o dos nossos parentes mais próximos já extintos, os de Neanderthal.

"Isso [a pesquisa] pode permitir que a gente tenha insights terapêuticos de como prevenir alterações ou defeitos que levem ao espectro autista, permitindo que a gente disseque quais seriam as vias moleculares que estariam sendo afetadas e descubra ferramentas farmacológicas que poderiam interferir nesse processo, logo cedo, fazendo com que o indivíduo não tenha toda a dificuldade social lá na frente", ressalta o professor da Universidade da Califórnia, em San Diego.

© Muotri Lab/UC San Diego/DivulgaçãoO Dr. Alysson Muotri em seu laboratório na Universidade da Califórnia, em San Diego
O Dr. Alysson Muotri em seu laboratório na Universidade da Califórnia, em San Diego - Sputnik Brasil
O Dr. Alysson Muotri em seu laboratório na Universidade da Califórnia, em San Diego

Segundo o Dr. Muotri, nas primeiras observações já foi possível verificar que o minicérebro neanderthalizado segue uma trajetória de neurodesenvolvimento diferente e apresenta uma redução no número de sinapses em comparação ao do ser humano moderno.

"Essa redução sináptica é uma coisa que a gente já viu quando usa essa mesma tecnologia com células derivadas de indivíduos autistas. Então, o que pode estar sugerindo é que esses neanderthais poderiam ter problemas de sociabilização", complementa Muotri.

Exposição “Expedição Coral: 1865-2018” do Museu Nacional - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Descoberta brasileira pode ajudar a compreender mudanças dos oceanos nos últimos 200 anos
O estudo envolveu três áreas da ciência: a tecnologia Crisper de edição do genoma, os estudos sobre DNA antigo e os organoides celulares, conhecidos como minicérebros, que são construídos a partir de células-tronco.

O geneticista brasileiro, que dirige o programa de células-tronco da Universidade da Califórnia, confessa que se surpreendeu com os resultados da pesquisa e agora pretende integrar esses minicérebros a uma plataforma robótica para que esses organismos "comecem a explorar o universo", a fim de descobrir se os neanderthais tinham algum problema de aprendizado ou se possuíam capacidade maior ou menor de adaptação.

"A forma com a qual a gente está fazendo isso é integrar esses minicérebros a uma plataforma robótica. Então, a gente estimula um robô a explorar o mundo e transferir essas informações para o cérebro criado em laboratório. Aí, conseguimos testar essas hipóteses de que o cérebro do Neanderthal seria menos adaptativo ou se teria dificuldades de comunicação ou aprendizado", destaca o geneticista.

Além da descoberta sobre o funcionamento do cérebro do Homem de Neanderthal, o pesquisador acredita que o entendimento do processo evolutivo do ser humano pode permitir a manipulação de vias moleculares e a criação de novos medicamentos. 

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала