- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Justiça condena 23 ativistas envolvidos nos protestos de 2013 e 2014

© ERNESTO CARRIÇO/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDOPoliciais Militares e manifestantes entram em confronto durante ato organizado por integrantes do movimento Passe Livre, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, contra o aumento do valor da tarifa do transporte público, na tarde desta sexta-feira (08)
Policiais Militares e manifestantes entram em confronto durante ato organizado por integrantes do movimento Passe Livre, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, contra o aumento do valor da tarifa do transporte público, na tarde desta sexta-feira (08) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Tribunal de Justiça do Rio determinou nesta terça-feira (17) a condenação dos 23 ativistas envolvidos nas manifestações de 2013 e 2014 no Rio de Janeiro.

O juiz Flávio Itabaiana, da 27ª Vara Criminal, determinou uma pena de 7 anos para a maioria dos condenados, mas não prisão preventiva. Os 23 ativsitas podem responder em liberdade. 

"Deixo de decretar a prisão preventiva dos condenados, mantendo, contudo, as medidas cautelares estipuladas nos referidos acórdãos enquanto o presente feito não for remetido ao Egrégio Tribunal de Justiça para julgamento de eventual recurso de apelação", diz a sentença. 

Protesto contra Temer no Rio - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Protestos são marcados no Rio no dia da abertura da Olimpíada
O Ministério Público chegou a pedir a absolvição de 5 envolvidos no processo, mas o juiz não acatou. 

Baseado nas investigações da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, o documento alega que os ativistas cometeram crimes de associação criminosa, com pena maior por participação de menores, dano qualificado, resistência, lesões corporais, posse de artefatos explosivos e corrupção de menores.

Entre os condenados estão Caio Silva de Souza e Fábio Raposo, que respondem em liberdade pela morte do cinegrafista Santiago Andradade, atingido por um rojão durante uma manifestação realizada em 2014. 

A defesa alega que o processo tem acusações genéricas e não apresenta provas concretas de envolvimento dos manifestantes em atos ilegais. Nas redes sociais, cresce a campanha "#EuApoioOs23", acusando a condenação de perseguição política.  

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала