Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Como China pode ajudar a recuperar economia síria?

© Sputnik / Mikhail VoskresenskiyRefinaria de gás perto da cidade síria de Homs
Refinaria de gás perto da cidade síria de Homs - Sputnik Brasil
Nos siga no
A Sputnik entrevistou especialistas em economia, que estimaram as perspectivas da presença econômica chinesa no país árabe.

De acordo com o que o economista sírio, Munir Gneim, explicou à Sputnik Árabe, "para nossa região, à qual não nos podemos referir em termos de estabilidade na área política e econômica, a presença chinesa deve ser avaliada de forma positiva. Pequim está interessado na estabilização da região, e ela vai construir relações econômicas estratégicas".

Soldados do Exército sírio (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Vitória em Idlib acabará com guerra na Síria, diz fonte de alto escalão no exército
Gneim frisou que a China sempre deu uma atenção especial à Síria, o que se deve à posição geopolítica importante ocupada pelo país na região, enquanto a parceria com o governo sírio pode ser segura e de longo prazo.

Por sua vez, o diretor do Instituto de Ho Chi Minh, Vladimir Kolotov, destacou que a China "começou um grande jogo no Oriente Médio".

"A China propõe juntá-lo ao seu grande projeto da Rota da Seda. O mundo árabe tem uma escolha: continuar guerreando e destruindo tudo, o que os EUA encorajam a fazer, ou seguir um caminho de participação dos projetos internacionais que contribuirão ao desenvolvimento e crescimento", assinalou o analista.

Kolotov recordou que a economia chinesa é a maior do mundo, o que, segundo ele, levou à guerra econômica entre Pequim e Washington.

Caça russo MiG-29 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Força Aérea Síria divulga FOTOS de seu caça mais potente
"Pequim percebe que enfrentará tentativas de freá-lo, por isso já está empreendendo passos para proteger seus interesses. Ela está buscando parceiros e está pronta para pagar por isso. Com este intuito, o país proporciona diferentes ofertas e projetos para promover parcerias e laços estratégicos", explicou.

Vladimir Kolotov destacou que a maior parte do petróleo produzido no Oriente Médio tem como destino a Ásia Oriental, o que leva a China a promover a estabilidade na região.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала