- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Em meio a eleições perturbadas, será que Brasil pode evidenciar mais um golpe militar?

© AFP 2022 / Miguel SCHINCARIOLBandeira brasileira com inscrição "Há um golpe no"
Bandeira brasileira com inscrição Há um golpe no - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Muitos indicam: as eleições brasileiras deste outubro podem ser as mais imprevisíveis da história. Com Lula encarcerado e o perigo de "radicalismo" pendente, o panorama político parece não ter nenhum candidato vigente. A Sputnik Brasil discutiu com uma especialista sobre que riscos tal situação poderia acarretar.

De acordo com a brasilianista e especialista em assuntos latino-americanos, professora titular da Universidade de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO), Lyudmila Okuneva, uma das maiores preocupações da grande parte dos brasileiros hoje em dia é a existência de "dois radicalismos", um de esquerda e outro de direita. O primeiro costuma ser associado com a pré-candidatura (mesmo juridicamente impossível) de Lula e o outro — com o ranking cada vez maior do deputado Jair Bolsonaro.

Deputado Jair Bolsonaro - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Intervenção militar: 'ídolo' de Bolsonaro, general vê semelhanças entre 2018 e 1964
"Entretanto, não chamaria Lula de radical. Em alguns casos na sua carreira política anterior, Lula nem se identificava como de esquerda, pois é um moderador, negociador e mediador muito bom, é a postura dele, mas claro que se escolhermos entre, digamos, Temer e Lula, o último é visto como esquerdista", observa a cientista política.

Ao relembrar as atitudes tensas dos brasileiros em relação à intervenção federal no Rio de Janeiro, no início deste ano, com a aplicação do respectivo artigo constitucional pela primeira vez na época da democracia brasileira desde o ano 1985, a analista frisa que a "memória" do poder dos militares continua forte na mente dos brasileiros.

"Eles têm medo de Bolsonaro. Pois a 'injeção' de regime militar foi mais que forte após os militares terem passado 21 anos no poder", diz.

O principal problema das eleições, diz Lyudmila Okuneva, é que por enquanto não existe um candidato único do centro. Este "centro" até hoje não conseguiu se unir para lançar uma candidatura forte e consolidada.

Ao mesmo tempo, o número de apoiadores de Bolsonaro não está reduzindo, chegando a cerca de 15% de acordo com várias pesquisas, o que mostra que um certo segmento da população apoia medidas mais radicais no governo do país.

Jair Bolsonaro - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Eleições 2018: bate-boca no Twitter aquece briga entre Bolsonaro e Alckmin na direita
"Por um lado, há essa 'injeção' contra os militares. Por outro, há um crescimento da intenção de voto em Bolsonaro e, o que é ainda mais importante, há toda essa bagunça e problemas sociais que não se resolvem, a classe política está toda corrupta… Isto é um solo muito propício para os militares. Pois quando tem corrupção, os militares dizem: 'Vamos pôr ordem', 'Vamos limpar tudo'. Falavam o mesmo na época da ditadura", adverte a especialista.

Contudo, a analista não acredita que os militares na verdade possam chegar ao poder no Brasil contemporâneo, sendo que existe uma Constituição, aprovada com referência a este perigo.

"Alguém poderia imaginar que os militares possam realizar um golpe, porque não chegarão ao poder de modo legítimo […] Mas, em minha opinião, isso não acontecerá de modo algum, os militares modernos são de outro tipo. Já foram criados com a noção que os militares não podem efetuar golpes desses, são instruídos de modo diferente. Não acho que isso possa acontecer pela segunda vez", conclui a investigadora.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала