Pequim fortalece seus interesses econômicos na África através da exportação de armas

© AFP 2022 / STRInauguração da base da China em Djibuti, no leste da África, no dia 1° de agosto de 2017
Inauguração da base da China em Djibuti, no leste da África, no dia 1° de agosto de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Entre 26 de junho e 10 de julho na China foi realizado o primeiro Fórum de Defesa e Segurança China-África, organizado pelo Ministério da Defesa chinês. Prevê-se que o fórum deva contribuir para o aprofundamento da cooperação sino-africana na área da defesa e segurança.

Do fórum participaram militares de 50 países africanos, bem como representantes da União Africana. Os militares chineses mostraram a seus colegas africanos as capacidades das forças terrestres, navais e aéreas e discutiram vários temas como os planos da África de fortalecer sua defesa e segurança, bem como a cooperação militar entre a China e a África.

Kim Jong-un observa míssil balístico de longo alcance Hwasong-12. - Sputnik Brasil
Pequim veda exportação de materiais para armas de destruição em massa à Coreia do Norte
Nos últimos anos muitos países desse continente têm aumentado as importações de armas chinesas. Segundo o Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (SIPRI, na sigla em inglês), entre 2013 e 2017 a exportação de armas chinesas para África aumentou 55% em comparação com 2008-2012.  É de sublinhar que, no mesmo período, a África reduziu em 22% o volume total de importações de armas, aumentando de 8,6% para 17% a cota-parte da China nessas importações. Os EUA, por sua vez, são responsáveis por apenas 11% das importações.

A China aumentou não apenas o volume das suas exportações militares, mas também a gama de armas exportadas, bem como o número dos seus parceiros comerciais na África. Pequim fornece armas à Nigéria, Tanzânia, Chade, Gâmbia, Namíbia, Burundi, Moçambique, Gabão, Zâmbia, Zimbábue, Gana, Marrocos, Sudão, Iêmen, Camarões, Níger e Ruanda. 

O especialista do Centro de Estudos Africanos da Academia de Ciências da Rússia, Nikolai Scherbakov, comentou em entrevista à Sputnik China por que Pequim quer ganhar a concorrência no mercado de armas africano.

"Tradicionalmente, a maioria dos países africanos depende dos fornecimentos de armas das ex-metrópoles ou, antes disso, da União Soviética e do Leste Europeu. Para os chineses, Pequim deve suplantar os fornecedores tradicionais e declarar-se como grande exportador de armas e equipamento militar. A China pode vender tudo isso de forma eficaz", explicou ele.

German Chancellor Angela Merkel and Chinese Prime Minister Li Keqiang review the guard of honour at the chancellery in Berlin, Germany, July 9, 2018 - Sputnik Brasil
Alemanha e China celebraram acordos de 20 bilhões de euros em resposta às tarifas dos EUA
O Fórum de Defesa e Segurança China-África é um meio bastante eficiente para atingir esses objetivos, porque dá uma oportunidade aos militares africanos de conhecer as capacidades militares chinesas e estabelecer relações pessoais. 

Para o especialista em assuntos internacionais do Instituto Chinês de Comunicações, Yang Mian, o fórum ajudará os países africanos a fortalecer a sua segurança contra o terrorismo e a violência. 

"O terrorismo e o extremismo violento se fazem sentir em várias regiões africanas. Ali atuam organizações extremistas locais, tais como o grupo Boko Haram ou a Al-Qaeda no Magreb Islâmico [ambos proibidos na Rússia]. Por isso, as autoridades locais devem fortalecer suas capacidades de defesa e a China pode ajudá-las a fazer isso. As partes devem fortalecer a sua cooperação no que se refere à luta contra o terrorismo", explicou o especialista.

Recife de Ladd, ilhas Spratly, mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Pequim 'está testando silenciosamente armas de guerra eletrônica' no mar do Sul da China
Além disso, tendo em consideração que na África está florescendo a pirataria, o que, por sua vez, afeta a segurança regional, a África e a China, bem como os EUA, poderiam combater em conjunto este fenómeno. No ano passado a China inaugurou a sua base militar em Djibuti, no nordeste da África. Os navios militares chineses realizam patrulhas contra a pirataria na região. 

Yang Mian sublinhou também que as armas e equipamento chineses são mais vantajosos que os dos países acidentais no que se refere ao rácio custo-benefício. Ao mesmo tempo, a ajuda externa de Pequim não é acompanhada de quaisquer condições políticas. A China não tenta, como os países ocidentais, controlar a situação dos direitos humanos e o sistema de poder na África. Tudo isso pode contribuir para cooperação profunda entre a China e África nas áreas de defesa e segurança. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала