Alemanha e China celebraram acordos de 20 bilhões de euros em resposta às tarifas dos EUA

© REUTERS / Fabrizio BenschGerman Chancellor Angela Merkel and Chinese Prime Minister Li Keqiang review the guard of honour at the chancellery in Berlin, Germany, July 9, 2018
German Chancellor Angela Merkel and Chinese Prime Minister Li Keqiang review the guard of honour at the chancellery in Berlin, Germany, July 9, 2018 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os acordos comerciais são uma resposta em alto e bom som às tarifas impostas pela administração do presidente norte-americano Donald Trump.

A guerra comercial iniciada pelo governo de Donald Trump, através da imposição de tarifas, segue a todo vapor. Depois da China ter imposto tributação no valor de 34 bilhões de dólares sobre produtos norte-americanos, agora o gigante asiático e a Alemanha assinaram acordos comerciais no valor de 20 bilhões de euros.

Nesta segunda-feira, 22 acordos foram assinados pela chanceler Angela Merkel e premiê chinês Li Keqiang, que concordaram com a importância de promover o livre comércio. "Nós dois queremos manter o sistema de regras da Organização Mundial do Comércio", disse a autoridade alemã.

Ela acrescentou que o "sistema multilateral interdependente" se torna em uma "situação plurilateral na qual todos ganham", quando as regras são respeitadas.

A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo). - Sputnik Brasil
China adverte que tarifas dos EUA afetarão cadeias de fornecimento globais
Merkel também saudou a decisão de Pequim de flexibilizar as regras para o investimento estrangeiro, o que mostra que "a abertura do mercado na China" não são "apenas palavras, mas é algo respaldado por fatos."

Finalmente, depois de destacar o alto volume de investimentos diretos alemães nos EUA e na China, a chanceler alegou estar pronta para negociar com Washington, e garantiu que precisará agir, como fez com as tarifas do aço e de alumínio, se um acordo não for alcançado.

Além de agências governamentais, os acordos também envolveram empresas como Volkswagen, BMW, Daimler, Bosch, BASF e Siemens.

Os acordos assinados entre Merkel e Li foram uma resposta à política comercial dos EUA, que fixou tarifas em 25% do valor das importações da China, o equivalente à 50 bilhões de dólares anuais.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала