Novas sanções dos EUA contra Irã: ineficazes e até contraproducentes

© Sputnik / Grigoriy Sysoev / Abrir o banco de imagensMulher em frente ao muro da antiga embaixada dos EUA em Teerã, tomada por islâmicos em 1980
Mulher em frente ao muro da antiga embaixada dos EUA em Teerã, tomada por islâmicos em 1980 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
As sanções que os EUA quererem impor ao Irã fazem parte de uma política de pressão que tem como objetivo forçar a mudança de comportamento de Teerã. Entretanto, as ações de Trump representam "um tiro no próprio pé", porque nada de bom sairá dessas sanções, que acabarão sendo contraproducentes, explica o especialista Christopher Steinitz.

Segundo o governo Trump, um dos objetivos das novas sanções é reduzir a zero as exportações de petróleo iraniano "até que o Irã se comporte como um país normal". Não entrando no debate sobre o que os EUA consideram normal, Steinitz advertiu que o primeiro erro na aplicação de sanções é presumir que estas funcionarão.

As esperanças de que isso venha a acontecer são poucas, sublinhou ele, porque o poder das medidas radica no número de países que as respeitam e "vários países já disseram que não planejam fazê-lo", lembrou o especialista. Entre eles estão a Turquia, a Índia e a China, todos importantes parceiros de Teerã.

"A Turquia tem uma longa história de importação de petróleo sancionado do Iraque e do Irã e não se acha na obrigação de cumprir as sanções dos EUA. Embora Washington possa impor sanções à Turquia, essas ações lhe custariam pôr em risco a ajuda turca na luta contra o Irã na Síria", explicou Steinitz em seu artigo para a edição The Hill.

Manifestantes iranianos queimam representações da bandeira dos EUA durante um protesto em frente à ex-embaixada dos Estados Unidos em resposta à decisão do presidente Donald Trump de desistir do acordo nuclear e renovar as sanções a Teerã. - Sputnik Brasil
Pompeo: Teerã enfrentará 'ira do mundo inteiro' se continuar desenvolvendo armas nucleares
A Índia já disse que não planeja reconhecer as sanções, lembrou o autor, acrescentando que o país já antes tinha chegado a um acordo com o Irã sobre o pagamento de petróleo em rupias para evitar o uso do dólar, por isso se espera que faça o mesmo novamente.

A China, por sua vez, é o maior importador de petróleo iraniano e está na melhor posição para negociar o petróleo em yuanes em vez de dólares, porque o país está em plena expansão econômica de sua moeda.

"No fundo, a questão é saber quantos acordos o Irã pode fazer para minar as sanções. Embora as sanções sejam penalizadoras, será impossível reduzir a zero as exportações de petróleo iraniano sem causar grandes custos para nós [os EUA]", advertiu o analista.

Os EUA também estão errados quando assumem que suas sanções são uma boa ideia e não se voltarão contra eles. Entretanto, as medidas repressivas atingirão qualquer país que se atreva a fazer negócios com os iranianos. "Talvez a administração de Trump acredite que pode sancionar a Turquia e a Índia com pouco risco de retaliação", disse o especialista.

Nota de cinco dólares em chamas - Sputnik Brasil
China acusa EUA de desencadearem maior guerra comercial na história
Embora os EUA acreditem que, com suas sanções, conseguirão mudar o comportamento do Irã até que esse país seja convertido à força "em um país normal", as probabilidades de que isso aconteça não são muitas. Sobretudo porque o Irã já avisou que retomará suas atividades nucleares.

Para Steinitz, não há dúvida que os EUA continuam sendo suficientemente fortes para forçar a maioria das nações a aceitar essas novas sanções. A questão é saber se essas sanções levarão o Irã a mudar seu comportamento, e até que ponto os outros países irão tolerar essa linha dura.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала