Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

'Irã precisa se unir frente a uma séria guerra econômica estimulada pelos EUA'

© AFP 2021 / ATTA KENAREUma família iraniana passa por pichações contrárias aos EUA na parede da antiga embaixada americana em Teerã.
Uma família iraniana passa por pichações contrárias aos EUA na parede da antiga embaixada americana em Teerã. - Sputnik Brasil
Nos siga no
O primeiro vice-presidente do Irã, Eshaq Jahangiri, pediu aos moradores do país que combatam "uma séria guerra econômica desencadeada pelos EUA contra a República Islâmica", segundo a agência de notícias iraniana Press TV.

Jahangiri disse que os americanos acreditam que "podem ter sucesso em prejudicar nossa economia, de modo que o Irã, nas palavras do presidente dos EUA, seja forçado a voltar à mesa de negociações".

"Nestas circunstâncias, todos os funcionários do Estado, incluindo o governo, Majlis [o parlamento iraniano], as correntes políticas e de elite e todo o povo iraniano são chamados a se unirem contra esta grande trama e ajudar a passar por essa fase com dignidade e satisfação".

Presidente Vladimir Putin da Rússia (R) se reúne com presidente do Irã, Hassan Rohani, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, 28 de setembro de 2015 - Sputnik Brasil
Irã diz que sanções dos EUA só fortalecerão os laços com a Rússia
Segundo Jahangiri, o ataque ao setor de transporte do Irã continua em alta "na agenda do inimigo", em meio aos planos de Washington de restabelecer as sanções contra os setores de aviação e transporte da República Islâmica.

Seus comentários foram feitos poucos dias depois que o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, sinalizar a disposição de retornar à mesa de negociações com os Estados Unidos se Trump aderir novamente ao acordo nuclear de 2015.

Zarif criticou o colega americano Mike Pompeo por fazer "ameaças" contra o Irã no mês passado, quando listou 12 exigências a Teerã para evitar o que Pompeo descreveu como "as sanções mais fortes da história".

O chanceler iraniano chamou o ultimato de Pompeo de "reação desesperada" e uma tentativa de justificar a retirada unilateral de Washington do acordo. O principal diplomata iraniano instou o governo Trump a cessar as violações dos acordos e a "agressão econômica" contra o Irã, além de reconhecer a intromissão regional.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала