Chefe do Pentágono terá sucesso em sua próxima visita à China? Analistas avaliam

© REUTERS / Yuri GripasSecretário de Estado norte-americano James Mattis gestures durante a conferência de imprensa sobre a campanha contra o Daesh no Pentágono, Washington, 19 de maio de 2017
Secretário de Estado norte-americano James Mattis gestures durante a conferência de imprensa sobre a campanha contra o Daesh no Pentágono, Washington, 19 de maio de 2017 - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Na próxima semana, o secretário de Defesa dos Estados Unidos James Mattis fará uma visita a Pequim e Seul. O assunto principal do encontro será a discussão da situação em relação à Coreia do Norte. As negociações na China serão um importante indício do futuro desenvolvimento das relações sino-americanas.

Analistas russos e chineses avaliaram, em entrevista à Sputnik China, a missão do chefe do Pentágono.

"Avaliando a situação atual nas relações sino-americanas, devemos reconhecer que a visita de James Mattis acontece em uma situação muito difícil. Os contatos entre os departamentos de defesa dos dois países estão próximos do ponto de congelamento", observa Andrei Karneev, do Instituto de Assuntos Asiáticos e Africanos da Universidade Estatal de Moscou.

Dragão Vermelho, o símbolo da China - Sputnik Brasil
Análise: na disputa comercial com EUA, China ainda não recorreu a seu trunfo principal
Segundo o especialista, os EUA estão estreitando laços com Taiwan, o que complica ainda mais as relações bilaterais com a China. Tudo isto além da situação econômica instável e da provável guerra comercial, que são obstáculos que impedem o estabelecimento de compromissos efetivos na área de segurança.

Por sua vez, Ba Danjun, diretor do Instituto de Estudos do Nordeste Asiático da Universidade de Jilin, acredita que tanto a China como os EUA têm interesses comuns em relação à península coreana. Em particular, ambos os países olham na mesma direção quanto à sua desnuclearização.

Danjun comenta que há desentendimentos sobre o processo e os prazos de desnuclearização da península. Considerando a atuação norte-americana na arena internacional, os EUA podem cancelar as negociações a qualquer momento. E isso cria uma incerteza em relação à desnuclearização e às futuras relações sino-americanas.

"Neste contexto, é difícil para a China e os Estados Unidos encontrarem pontos em comum em diversas questões, seja a questão nuclear norte-coreana ou o problema do mar do Sul da China. Os EUA devem avaliar sobriamente o estado dessas questões. Eu penso que, durante a atual visita de Mattis à China, o assunto da desnuclearização da península coreana pode ser abordado, mas o conceito norte-americano de poder e diplomacia não contribui para resolver o problema", disse.

Provavelmente, o próprio Mattis não acredita realmente no sucesso das próximas negociações. No entanto, Washington não tem escolha.  Devido aos frequentes contatos entre Xi Jinping e Kim Jong-un, fica evidente que os EUA não serão capazes de lidar com o problema da desnuclearização sem a China. Portanto, de um modo ou de outro, o acordo tem que passar pelo filtro de Pequim.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала