Por que EUA podem ficar sem mísseis de cruzeiro Tomahawk?

Nos siga noTelegram
A Marinha dos EUA vai suspender as compras de mísseis de cruzeiro Tomahawk, relata a revista Defense One se referindo ao projeto do orçamento da Marinha para o ano de 2019.

Conforme os militares, os mísseis Tomahawk, produzidos desde 1980, não correspondem aos desafios de hoje. A edição norte-americana nota que, em vez deles, os militares estadunidenses planejam usar o míssil antinavio de longo alcance AGM-158C LRASM, que está em elaboração, e o míssil NGLAW para atingir alvos terrestres.

Míssil de cruzeiro Tomahawk durante teste de voo controlado sobre o Comando de Sistemas Aéreos Navais (NAVAIR) no sul da Califórnia - Sputnik Brasil
'Destino pior do que a morte': EUA estão preocupados com Tomahawk capturados pela Rússia
No entanto, a revista ressalta que as características declaradas do novo míssil (em particular, a velocidade supersônica e os novíssimos meios de resistência aos sistemas radioeletrônicos) que, como se espera, deverá entrar em serviço nos anos 2020, podem não corresponder às esperanças da Marinha, em comparação com os Tomahawk, que já foram usados em combate.

A edição escreve que o Pentágono precisa dos mísseis Tomahawk antes de mais por causa da situação na Síria. "O fim da sua produção, cuja decisão pode ser tomada pelo Congresso em 2019, é inaceitável em um mundo perigoso e incerto", conclui a Defense One.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала