- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'A oposição na Venezuela está absolutamente desarticulada', afirma pesquisador

Nos siga noTelegram
O presidente Nicolás Maduro foi reeleito com folga na Venezuela e presidirá o Executivo do país por mais 6 anos. Em entrevista à Sputnik Brasil o professor Paulo Velasco explica as razões que levaram a uma derrota da oposição e as consequências internacionais que a permanência de Maduro pode acarretar à Venezuela.

As eleições presidenciais venezuelanas foram consideradas controversas devido aos questionamentos internos e externos sobre a lisura do pleito, e era sabido de antemão que qualquer resultado favorável a Maduro seria contestado.

Donald Trump assina documentos na Casa Branca - Sputnik Brasil
Trump assina ordem proibindo transações adicionais com a Venezuela
Parte da oposição boicotou as eleições, antecipadas pela Assembleia Constituinte, enquanto o comparecimento às urnas não passou de 42%. E foi sob estas condições que Maduro assegurou os votos de mais de 5 milhões de venezuelanos, enquanto o segundo colocado, o ex-chavista Henri Falcon, chegou a pouco mais de 1 milhão de votos.

A crise no país continua. Mas em entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Velasco, professor de Relações Internacionais, aponta que ideia de que apenas Maduro seja o responsável por essa situação no país é de toda forma injusta.

"É importante reconhecermos que a oposição tem uma parcela importante de culpa nisso. Desde que o Maduro assumiu o governo, em 2013, e ele venceu, com uma pequena diferença de votos o candidato opositor, Henrique Capriles, do partido Primeiro Justiça, percebemos a oposição tentando inviabilizar por todos os meios o governo do Maduro", afirma o pesquisador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Velasco remete ao momento em que a situação piorou ainda mais, em 2015, quando a oposição garantiu maioria na Assembleia Nacional. Com mais poderes, os opositores de Maduro lançaram-se a tentar inviabilizar ainda mais o governo.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Brasil não reconhece vitória de Maduro na Venezuela
"Falta, a meu ver, maturidade dos dois lados. A oposição podia tentar um jogo mais consciente, mais cuidadoso e participar das eleições. Aí certamente veríamos o Maduro em uma posição mais suave", aponta o professor.

Para ele, a oposição errou em boicotar as eleições, uma estratégia de tentativa de deslegitimar as eleições que ele afirma já ter dado errado em outros momentos.

"Claro que há movimentos estranhos e questionáveis da parte do Maduro, mas simplesmente retirar-se das eleições não é, certamente, o melhor caminho".

O professor aponta que os candidatos opositores destas eleições não teriam projetos verdadeiros para a Venezuela, e que seriam atores políticos de menor expressão diante de outros que já concorreram à presidência no país, como Henrique Capriles e Leopoldo López.

"A oposição na Venezuela está absolutamente desarticulada hoje em dia. Ela sofreu um golpe duro, é bem verdade, depois da convocação e da eleição da Assembleia Constituinte em meados do ano passado. De lá para cá a atuação foi muito tímida na oposição".

Velasco acredita que falta unidade nesses grupos de oposição venezuelanos, que apresentam frentes sem base comum e não conseguem se articular diante da situação. Não haveria, portanto, uma alternativa viável proposta, e articulada entre os grupos opositores.

"Não há uma alternativa política que venha da oposição. Eles só coincidem nas críticas ao Maduro, no questionamento à legalidade ou legitimidade do governo de Nicolás Maduro, mas não têm um projeto coeso, uniforme. E consequentemente não têm um projeto viável para a Venezuela".

Como esperado, parte da comunidade internacional reagiu de forma negativa diante do resultado em prol do atual presidente. E ao que parece, a crise venezuelana deve continuar.

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela - Sputnik Brasil
6 países do G20 querem novas sanções contra a Venezuela
Durante a reunião dos Ministros de Relações Exteriores do G-20, em Buenos Aires, o chanceler argentino, Jorge Faurie, afirmou, nesta segunda-feira (21) que Argentina, Austrália, Canadá, Chile, Estados Unidos e México já consideram sanções econômicas contra a Venezuela. 

O Brasil também afirmou que não reconhecerá os resultados da eleição.

Na tarde desta segunda-feira (21), o presidente norte-americano Donald Trump anunciou a introdução de medidas contra a Venezuela, restringindo a compra de ativos públicos do país.

Para o professor Velasco, isso pode ser lido como um reflexo do que considera um total isolamento do país na vida diplomática local, com exceção de alguns poucos países. Em fóruns e organizações regionais como o Mercosul, OEA e UNASUL, o país segue isolado.

"Isso tem, inclusive, reflexos materiais, reflexos econômicos. O comércio do Brasil com a Venezuela, que chegou a ser um comércio bastante razoável no início desta década, hoje é pífio em relação ao que já foi. Então há reflexos econômicos que resultam desse isolamento internacional da Venezuela", conclui o pesquisador.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала