Senado russo: relações com Londres não melhorarão com defensores da russofobia no poder

© AP Photo / Toby Melville/PAPrimeira-ministra britânica, Tehresa May, no local onde Sergei Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes
Primeira-ministra britânica, Tehresa May, no local onde Sergei Skripal e sua filha foram encontrados inconscientes - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
De acordo com Valentina Matvienko, presidente do Senado da Rússia, entrevistada pela Sputnik, enquanto Theresa May estiver no poder, a Rússia não pode esperar uma melhora nas relações entre os dois países, que já se encontram "no pior estado de toda a história".

"No que se refere às relações entre a Rússia e o Reino Unido, elas na verdade se encontram no pior estado de toda a sua história. Acredito que, enquanto estiverem no poder pessoas que estimulam a russofobia […] não podemos esperar uma melhora nas relações. Estou falando sobre Theresa May, o seu gabinete e outras pessoas que tentam liderar a vanguarda da política russófoba, que tentam contribuir para a luta contra a Rússia com estes métodos sujos", afirmou a senadora comentando o caso Skripal. 

Policiais montam guarda perto de um banco de um shopping de Salisbury onde foram encontrados Sergei e Yulia Skripal, 12 de março, Reino Unido. - Sputnik Brasil
Reino Unido reforça discurso antirrusso no caso Skripal
De acordo com a senadora, ao longo dos últimos dois meses desde o envenenamento do ex-espião russo e de sua filha no Reino Unido, não foram apresentadas quaisquer novas bases para acusar a Rússia de seu alegado envolvimento.

"Organizaram uma provocação de forma concertada, que teve seu efeito, mas depois, de repente, desapareceu do campo informacional", disse. 

Valentina Matvienko declarou também que a Rússia jamais permitirá que o incidente seja abafado.

"Nós insistimos e continuamos insistindo para que seja realizada uma investigação objetiva, bem como encontrados os responsáveis por essa história", frisou a senadora, reafirmando que se tratou de uma provocação mal planejada porque todas as suas consequências "estão gradualmente se manifestando".

O presidente da República Tcheca, Milos Zeman - Sputnik Brasil
Presidente tcheco admite que país produziu substância parecida ao do caso Skripal
Em 4 de março, Sergei Skripal, ex-oficial da inteligência militar russa que foi recrutado nos anos 90 pelo serviço secreto britânico, e sua filha Yulia foram encontrados inconscientes perto de um shopping na cidade de Salisbury com sinais de envenenamento com agente tóxico.

Londres responsabilizou Moscou por estar envolvida no ataque, alegando que a substância com a qual o Skripal foi envenenado era de fabricação russa. Baseando-se nestas acusações, o Reino Unido e 28 outros países expulsaram um total de 153 diplomatas russos. Moscou repetidamente rejeitou todas as acusações, qualificando-as infundadas.

Falando também sobre as tensões nas relações entre a Rússia e vários países do Ocidente, a senadora comentou a decisão de vários políticos de não comparecer à Copa do Mundo, que terá lugar na Rússia. 

"Gostaria de dizer com muito orgulho que […] nosso país se esforçou muito para preparar a Copa do Mundo. Trata-se da inauguração de novos estádios, novas instalações esportivas, aprimoramento das cidades", assinalou, acrescentando que, por seu trabalho, a Rússia mereceu altíssimas avaliações da FIFA e dos visitantes do evento. 

Pavlo Klimkin, ministro das Relações Exteriores da Ucrânia - Sputnik Brasil
Diplomacia da Ucrânia alerta cidadãos a não irem à Copa do Mundo da Rússia
"Claro que ficaríamos felizes de ver políticos e responsáveis oficiais visitarem a Copa. É a sua escolha", disse Matvienko, frisando que, em sua opinião, a política não se deve misturar com o esporte. 

A Copa do Mundo FIFA 2018 será disputada entre 14 de junho e 15 de julho. Onze cidades russas foram escolhidas para receber jogos em 12 estádios diferentes.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала