'Vi como Capacetes Brancos compartiam centros operacionais com Frente al-Nusra'

© Foto / Carla OrtizCarla Ortiz ao lado de crianças sírias (foto de arquivo)
Carla Ortiz ao lado de crianças sírias (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A diretora cinematográfica, atriz e ativista boliviana, Carla Ortiz, testemunha da guerra na Síria, contou em entrevista à Sputnik Mundo sobre o trabalho dos Capacetes Brancos no país árabe e como a intervenção de alguns países ocidentais impede que o povo sírio alcance a paz.

Durante a entrevista, Carla Ortiz estava em Washington a fim de apresentar aos senadores e membros do Congresso estadunidenses as provas dos cidadãos sírios e os seus vídeos para que "percebam que as sanções [introduzidas pelo Ocidente contra a Síria] causam dano não ao governo [de Bashar Assad], mas às pessoas que já há sete anos vivem em estado de guerra que tirou a vida de meio milhão de vidas".

Soldados israelenses perto de uma sinalização em ponto de observação nas Colinas de Golã que dá para o território sírio, 10 de maio de 2018 - Sputnik Brasil
Chancelaria síria: ataques de Israel indicam nova etapa de agressão contra Síria
"Todos se esquecem da parte humana do conflito. Você pode gostar ou não do governo do país, mas será que vale a pena gerar sete milhões de refugiados? Nos hospitais, as crianças não podem receber tratamento contra câncer, porque as sanções não permitem a entrada de substâncias químicas básicas para o tratamento. Seria lógico dizer que o presidente da Síria, que está ganhando uma guerra com armas convencionais, não tem substâncias químicas para salvar crianças e, sim, para serem usadas em locais onde a guerra já foi vencida? Isso não faz sentido. É necessário questionar as coisas e tomar ações para o bem deste país", ressaltou Ortiz.

A diretora boliviana percorreu grande parte da Síria para filmar o documentário "A Voz da Síria" no intuito de mostrar o drama do conflito aos olhos dos principais afetados, cuja experiência e história contradizem o que normalmente mostram as mídias hegemônicas sobre a guerra.

Uma das coisas que mais a impressionou foram as ruas de Aleppo, onde muitas escolas foram capturadas para serem usadas como centros de operações pela organização terrorista Frente al-Nusra, com vínculos à Al-Qaeda [organizações terroristas proibidas na Rússia], e pelos Capacetes Brancos, grupo que se nomina como uma organização de voluntários responsáveis pela proteção e assistência de civis nas zonas controladas por distintos grupos rebeldes de oposição ao governo.

Centro militar de pesquisa, na cidade síria de Barzeh, atingido por um míssil lançado durante o ataque dos EUA, Reino Unido e França em 13 de abril - Sputnik Brasil
Mídia divulga VÍDEOS de defesa antiaérea síria abatendo mísseis israelenses
"Vi como os Capacetes Brancos compartiam edifícios com os grupos extremistas da Frente al-Nusra sem quaisquer problemas. Se você é um civil e vê o que estes grupos fizeram ao seu povo e à sua família, estuprando suas filhas e decapitando pessoas, você não estaria de acordo em compartilhar algo com eles", assinalou.

Por isso, Carla decidiu entrar em contato com os civis que voluntariamente se ofereceram para trabalhar nessa organização. "Muitos me disseram que acreditavam inicialmente que iriam salvar vidas, mas depois perceberam que parte da ajuda era dada a grupos armados, que se dizem 'moderados'", explicou a diretora.

As pessoas nas ruas a asseguravam que os Capacetes Brancos "não salvam os cidadãos", que "se recusam a prestar serviços às crianças nos hospitais" e que durante a batalha de Aleppo trabalharam "lado a lado" com a organização Frente al-Nusra.

Ela denunciou também que "cada vez que um jornalista e eu entramos nos locais tomados por rebeldes, encontramos armas químicas e armas convencionais".

© Foto / Carla OrtizCarla Ortiz a caminho entre cidades sírias, 2016
Carla Ortiz a caminho entre cidades sírias, 2016 - Sputnik Brasil
Carla Ortiz a caminho entre cidades sírias, 2016

"As potências que alegadamente desempenham função de policiais mundiais, devem perceber melhor quem são as pessoas que filmaram o vídeo sobre os supostos ataques químicos", esclareceu. Mas ao contrário, eles "mantêm cinicamente a desinformação para que sigam os bombardeamentos que destroem o país, que tenta lutar contra o terrorismo, pelo qual todo o Ocidente é responsável, porque as armas fornecidas aos grupos moderados sempre caem nas mãos dos extremistas", esclareceu.

Ortiz opina que o único meio de pôr fim à guerra na Síria é escutar os sírios, mas não os representantes das potências estrangeiras que pedem cada vez mais intervenção.

Soldados israelenses junto de unidades de artilharia móvel perto da fronteira com a Síria - Sputnik Brasil
O que está por trás dos ataques israelenses contra posições iranianas na Síria?
"Até os membros da oposição síria apelam para o fim da guerra derramadora de muito sangue. Temos que espalhar uma informação alternativa para ajudar esse povo. Temos que deixar de pensar que a Síria fica longe. Uma criança síria não é diferente dos nossos filhos", disse Ortiz.

"O terrorismo no país nos afeta também. É preciso olhar no espelho e se perguntar se queremos ser pessoas que mudaram a história, para contar aos nossos netos sobre a nossa contribuição em um mundo melhor, ou se vamos ficar calados e sermos indiferentes", concluiu a boliviana.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала