França diz que acordo com Irã 'não morreu' e decisão de Trump aumenta risco de guerra

© Sputnik / Kirill Kallinikov / Abrir o banco de imagensJean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores da França
Jean-Yves Le Drian, ministro das Relações Exteriores da França - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Embora os Estados Unidos tenham quebrado um "compromisso internacional" e a França lamentasse a decisão, o acordo nuclear histórico com o Irã ainda não está "morto", segundo o ministro de Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian.

"O acordo não está morto. Há uma retirada americana do acordo, mas o acordo ainda está lá", disse Jean-Yves Le Drian à rádio RTL na quarta-feira, falando horas após o presidente dos EUA, Donald Trump, se recusar a recertificar o acordo de 2015 com Teerã.

O documento, assinado durante o governo de Barack Obama, restringiu o programa nuclear do Irã em troca do levantamento de sanções.

Paris "lamenta profundamente" o movimento de seus aliados ocidentais, que Le Drian chamou de "uma ruptura com o compromisso internacional", acrescentando que a situação no Oriente Médio pode ser comprometida, já que a decisão de Washington traz "um risco real de confronto".

Lançamento de um míssil balístico pelo Irã - Sputnik Brasil
'EUA querem mudança de regime ao estilo iraquiano no Irã', afirma especialista

O ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, também condenou a decisão de Trump de oferecer "nenhuma alternativa" ao acordo de "trabalho", segundo a Agência Reuters.

A França foi um dos signatários do acordo negociado com o Irã, intermediado pelas potências do P5 + 1 (China, França, Rússia, Reino Unido, EUA e Alemanha) em 2015.

Os outros signatários europeus não apoiaram a retirada dos EUA, com os líderes do Reino Unido, França e Alemanha expressando "arrependimento e preocupação" e pedindo moderação. Eles também afirmaram que continuarão aderindo ao acordo e conclamaram Washington a "garantir que as estruturas do JCPOA possam permanecer intactas".

O compromisso das outras partes com o JCPOA pode permitir que Teerã permaneça no acordo, de acordo com o presidente iraniano Hassan Rouhani, que acusou Trump de travar "uma guerra psicológica" que o Irã não permitirá que ele ganhe.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала