EUA compensam fracasso na Síria com mais sanções contra Rússia

© AP Photo / Hassan AmmarMíssil cruza o céu sobre Damasco durante o ataque norte-americano ao país
Míssil cruza o céu sobre Damasco durante o ataque norte-americano ao país - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos, ao imporem novas sanções contra a Rússia, querem compensar o fracasso do ataque com mísseis contra a Síria, realizado em 14 de abril, informou um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

"Formalmente, estão acusando a Rússia de violar a lei dos EUA que proíbe a cooperação militar com Irã, Coreia do Norte e Síria (…) na verdade se trata do simples desejo de se vingar do fracasso que foi o ataque de mísseis contra a Síria, realizado pelos EUA e Reino Unido e França no dia 14 de abril França, violando a lei internacional", alegou o documento.

O Ministério das Relações Exteriores destacou que a lei norte-americana que proíbe a cooperação militar com Teerã, Pyongyang e Damasco "não ter nada a ver com a Rússia".

Teerã comemora acordo nuclear - Sputnik Brasil
'EUA têm o vício de aplicar sanções, mas esta política criminosa não pode durar sempre'
Segundo os diplomatas russos, as novas restrições dos EUA incluem o Centro de Treinamento das Forças Antiaéreas de Gatchino, junto à Academia Militar Mozhaiski, e o 183º Regimento de Mísseis das Forças Armadas russas. Isso, segundo eles, prova a tese da revanche.

"Aparentemente, a causa [das sanções] é ter ensinado e preparado bem as forças militares anti-aéreas da Síria, que eliminaram a maioria dos mísseis dos agressores ocidentais", destacou o Ministério das Relações Exteriores russo.

A holding estatal, Rosoboronexport, responsável por exportação de armamentos, e diretores da Inteligência do Estado Maior das Forças Armadas Russas também entraram na lista negra de Washington.

"As sanções atuais são de fato o reconhecimento de que as forças antiaéreas sírias, em 14 de abril, mostraram de forma convincente as possibilidades das armas de produção soviética e russa, ao combater os mísseis de forma eficaz", conclui o texto.

Em 14 de abril, os Estados Unidos, França e Grã-Bretanha bombardearam a Síria sob o pretexto de alegada utilização de agentes tóxicos na cidade de Douma, no dia 7 de abril.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала