Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Com ou sem acordo, ex-ministro de Israel defende sanções contra o Irã

© AP Photo / Gali TibbonIsraeli Defense Minister Moshe Yaalon (File)
Israeli Defense Minister Moshe Yaalon (File) - Sputnik Brasil
Nos siga no
O ex-ministro da Defesa israelense Moshe Yaalon pediu a introdução de sanções internacionais contra o Irã, independentemente do destino do Plano de Ação Integral Conjunta (JCPOA), também conhecido como acordo nuclear com o Irã, a fim de persuadir Teerã a abandonar suas ambições nucleares e restringir a expansão na região.

Juntamente com Israel, o presidente dos EUA, Donald Trump, descreveu repetidamente o JCPOA como o pior acordo da história dos EUA e agora enfrenta um prazo final de 12 de maio para decidir se Washington continuará ou não como parte do acordo nuclear.

U.S. President Donald Trump (L) and Israel's Prime Minister Benjamin Netanyahu speak to reporters before their meeting at the King David Hotel in Jerusalem May 22, 2017 - Sputnik Brasil
Netanyahu e ataques de Israel na Síria podem empurrar Trump para guerra com Irã

"Pressões desse tipo podem forçá-los a reconsiderar a ideia de possuir armas nucleares e campanhas subversivas na região, então eu insisto: vamos pressionar o regime agora", disse o ex-ministro em entrevista à Sputnik.

Yaalon disse que o JCPOA era "ruim e deveria ser revisto", e que as sanções contra o Irã são "necessárias", pois, segundo Israel, os iranianos estavam fornecendo armas para os houthis no Iêmen e desenvolvendo mísseis capazes de transportar ogivas nucleares.

No início da semana, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou que Israel obteve 100 mil documentos em papel e digitais, que, segundo ele, provam de forma irrefutável que o programa nuclear do Irã tem um componente militar secreto, codinome "Project Amad". Esta declaração foi feita em meio à discussão internacional sobre a necessidade de apertar o acordo nuclear ou anulá-lo.

Yaalon chamou o arquivo obtido pela inteligência israelense de "uma conquista enorme e muito importante", provando as declarações israelenses sobre o Irã.

"Nos anos 90, nossa inteligência entendeu que eles estão se esforçando para o potencial nuclear militar, não para o civil", destacou.

Além disso, Yaalon disse ter certeza de que os iranianos não violaram o acordo.

"Seria insensato para eles não cumprirem o acordo, para eles é um acordo inconcebivelmente vantajoso […] Mas isso não significa que após a transação eles não serão capazes de produzir uma bomba nuclear dentro de um ano", afirmou o ex-ministro.

Secretary of Iran's Supreme National Security Council, Ali Shamkhani - Sputnik Brasil
Irã promete bater de frente com Trump caso EUA rompam acordo nuclear

As autoridades iranianas tornaram-se mais sensíveis à pressão externa por causa da crise econômica e da ameaça de uma onda de protestos, explicou Yaalon.

Em 14 de julho de 2015, a União Europeia e o grupo de países P5 + 1 — China, Alemanha, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos — assinaram o JCPOA com Teerã. O acordo estipulou o levantamento gradual de sanções anti-iranianas em troca de Teerã reprimir seu programa nuclear e permitir inspeções para garantir que a natureza do programa seja pacífica.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала