EUA estão empurrando países do Oriente Médio para mais um conflito?

© AP Photo / Hani MohammedOs mercenários norte-americanos
Os mercenários norte-americanos - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A especialista turca em questões do Oriente Médio, Hamide Yigit, contou em entrevista à Sputnik Turquia que os EUA, com seus aliados na Síria enfraquecidos, tentam mobilizar os restantes grupos terroristas dispersos, implementando uma política que empurra os países da região para mais um conflito.

"A medida que as posições das forças ocidentais na Síria enfraquecem, eles tentam usar várias estratégias para se fixar na região. Como exemplo pode ser referida a última medida dos EUA, França e Reino Unido em relação à Síria, as suas tentativas de aumentar a presença no território sírio", ressaltou a analista.

Material bélico das tropas estrangeiras perto da cidade síria de Manbij - Sputnik Brasil
Contingente militar francês é flagrado na Síria (FOTO)
Para ela, essa manifestação de força foi, antes de mais, dirigida contra o Irã e Rússia. Como se sabe, para desempenhar um papel decisivo na regularização do conflito sírio, é necessário ter posições fortes no campo de combate.

Em meio aos avanços das forças governamentais sírias, o Ocidente, em especial os EUA, tem que fazer algo para reforçar as suas posições. "Querem ter um grande trunfo nas mãos. E os seus passos contra o Irã podem ser classificados deste ponto de vista, já que Israel chama constantemente o Irã de principal e mais séria ameaça, com o apoio da Arábia Saudita e de outros países do Golfo Pérsico", frisou Hamide Yigit.

Ela notou que na agenda da região estamos observando a deslocação da ênfase do problema do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) para as tensões entre os EUA, com os seus aliados, e o Irã. "Antes, nas discussões das forças ocidentais e seus parceiros sobre a situação na região, o Daesh sempre foi classificado como ameaça principal, mas agora, em vez dele, no primeiro plano começa a estar ativamente o 'fator iraniano'".

Ex-secretário de Estado dos EUA John Kerry durante reunião do Conselho de Cooperação do Golfo, Manama (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Mídia: ex-secretário de Estado dos EUA Kerry tenta salvar acordo nuclear iraniano
Por exemplo, depois de o exército sírio tomar sob o seu controle várias zonas em Deir ez-Zor, Israel logo tomou medidas — segundo os dados existentes, foram atacadas as formações armadas iranianas no norte de Homs, o que é testemunho de uma agressão direta em relação a Teerã.

"Logo que as posições dos aliados ocidentais na Síria começam a enfraquecer, os EUA começam sua retórica predileta de incitar os países da região para mais um conflito militar, e Israel demonstra a força, usando a tática de ataques pontuais", precisou Hamide Yigit.

Ela indica que as fontes locais não descartam a possibilidade de uma operação de grande escala contra as forças governamentais sírias. "Nesta situação, os EUA não vão participar diretamente dos confrontos, vão sim tentar fazê-lo com ajuda dos restantes grupos radicais, aos quais vão prestar a assistência necessária, bem como com a ajuda das forças armadas dos países regionais, que irão sofrer perdas reais no caso de confrontos encarniçados", disse a especialista.

Ao concluir, ela enfatizou que acabarão por ser os países da região a pagar por tudo, em especial a população local.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала