Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Imprensa: grupo separatista basco ETA anuncia 'dissolução completa'

Nos siga no
A luta do grupo ETA pela independência do País Basco, no nordeste da Espanha, deixou quase 850 mortos e milhares de feridos.

"O grupo separatista basco ETA (Euskadi Ta Askatasuna) decidiu encerrar suas atividades políticas e dissolver completamente todas as suas estruturas", informou nesta quarta-feira o jornal El Diario.

Masked members of the Basque militant group ETA - Sputnik Brasil
Grupo separatista ETA anuncia desarmamento e fim de ataques terroristas
O grupo, que tem lutado para estabelecer seu próprio país nos territórios do norte da Espanha e sul da França, deve anunciar sua decisão no final desta semana.

Após meio século de luta, o grupo decidiu declarar um regime de cessar-fogo em 2011, entregando suas armas em 2017. O ato foi considerado como o fim do último grande grupo armado na Europa Ocidental, considerado uma organização terrorista pela Espanha, França, Estados Unidos e União Europeia.

Os bascos não são o único grupo que lutou pela independência na Espanha. A região autônoma espanhola da Catalunha realizou um referendo sobre a independência em 1º de outubro de 2017, no qual mais de 90% dos 2,26 milhões de catalães que participaram da votação apoiaram a separação da Espanha.

Em Barcelona, na Espanha, um manifestante segura um cartaz com o rosto de Jordi Sanchez, da Assembleia Nacional da Catalunha, e Jordi Cuixart, líder da Omnium Cultural, em apoio aos políticos presos. - Sputnik Brasil
Justiça da Espanha se recusa a libertar candidato catalão à presidência
Madri classificou o referendo de ilegal e, posteriormente, impôs um governo direto sobre a região autônoma, demitindo os membros do seu governo regional. Vários ministros do antigo governo catalão foram presos, enquanto o ex-chefe da região, Carles Puigdemont, fugiu para a Bélgica.

Em 23 de março, a Suprema Corte espanhola ativou um mandado de prisão europeu para vários políticos catalães, incluindo Puigdemont. Dois dias depois, Puigdemont foi detido na Alemanha depois de cruzar a fronteira com a Dinamarca, realizando trânsito entre Finlândia e Bélgica.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала