Macron diz que a França aumentará o apoio à Coalizão Internacional na Síria

© REUTERS / Jonathan ErnstMacron em discurso na Câmara dos EUA.
Macron em discurso na Câmara dos EUA. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente da França, Emmanuel Macron, prometeu em uma reunião em Washington aumentar o envolvimento militar da França na Síria e apoiar a presença norte-americana no norte do país.

"Estamos totalmente comprometidos e continuaremos e aumentaremos nosso compromisso dentro da estrutura da Coalizão Internacional", disse ele. "O que eu estou comprometido em fazer em cooperação com os americanos é dar apoio à presença americana no norte da Síria e, em particular, a leste do rio Eufrates".

O presidente norte-americano, Donald Trump, ao lado do líder francês, Emmanuel Macron, durante visita à França - Sputnik Brasil
Macron diz que convenceu Trump a manter tropas na Síria
Como a Sputnik reportou anteriormente, Macron disse que a França seguiria os Estados Unidos na retirada das forças da Síria depois que jihadistas fossem derrotados.

Falando a estudantes da Universidade George Washington, na capital dos EUA, Macron enfatizou que o "primeiro enfoque" de seu país foi a guerra contra o grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico).

"Seu presidente [Donald Trump] disse que iria cessar o envolvimento das tropas dos EUA assim que a guerra contra o Estado Islâmico for concluída. Estamos na mesma posição… Nossa disposição é estar totalmente comprometida nesta guerra contra o Estado Islâmico, não mais do que isso", prometeu.

Líder do partido francês Frente Nacional (FN) quando era candidato ao Parlalento Europeu, em 18 de maio de 2014. - Sputnik Brasil
Ataque à Síria contraria interesses da França e a lei internacional, diz eurodeputado
Ele também sugeriu que um pequeno grupo de países deveria mediar entre dois processos paralelos de paz na Síria para "consertar" a situação no longo prazo.

"Nossa disposição é que esse novo grupo pequeno crie uma ponte entre o processo de Genebra e o processo de Astana para ter uma discussão abrangendo todos os aliados do regime e para abrir uma linha com a Rússia e a Turquia", disse ele durante uma coletiva de imprensa na universidade.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала