Lavrov alerta para a possibilidade de novas provocações na Síria

© Sputnik / Vitaly Belousov / Abrir o banco de imagensMinistro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante reunião com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, nas margens da cúpula da ASEAN em Manila
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, durante reunião com o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, nas margens da cúpula da ASEAN em Manila - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, advertiu nesta segunda-feira que a Síria poderia ser palco de novas provocações, apesar das advertências que Moscou fez aos EUA e países europeus, informou o ministério russo em um comunicado.

"Sem dúvida, devemos nos preparar para uma repetição das provocações, apesar de nossas fortes advertências dirigidas aos nossos colegas americanos e europeus, que participaram dessa aventura", disse o chefe da diplomacia russa nos bastidores de sua visita oficial à China.

O diplomata enfatizou que Moscou está preocupada com "os planos para o futuro que estão sendo desenvolvidos pelos colegas ocidentais".

"Ouvi recentemente que o presidente da França, Emmanuel Macron, já convocou os EUA a não retirarem suas tropas da Síria, mesmo quando o último terrorista for eliminado ou expulso do território daquele país […] que já é sobre uma postura bastante colonialista", advertiu.

Veículos da coalizão liderada pelos EUA na cidade de Manbij, no norte da Síria - Sputnik Brasil
EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Na véspera, Macron se disse contra uma retirada definitiva e total da Síria depois que a guerra contra os jihadistas terminar.

Em meados de abril, os Estados Unidos, o Reino Unido e a França atacaram várias instalações sírias supostamente usadas em um programa de armas químicas clandestinas.

Segundo o Pentágono, foi uma represália pontual pelo alegado uso de agentes tóxicos na cidade síria de Douma, que Damasco e Moscou descreveram como uma "montagem".

O Ministério da Defesa da Rússia estima que os EUA e seus aliados usaram mais de cem mísseis de cruzeiro, bombas guiadas e mísseis ar-terra no ataque à Síria, a maioria dos quais foi interceptada pela defesa antiaérea síria com sistemas russos S-125, S-200, Buk, Kvadrat, Osa e Strela.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала