Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Senador russo exalta papel de Moscou e Pequim para Kim anunciar fim dos testes nucleares

© Sputnik / Александр Шалгин / Abrir o banco de imagensKonstantin Kosachev, presidente da Comissão de Assuntos Internacionais do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo)
Konstantin Kosachev, presidente da Comissão de Assuntos Internacionais do Conselho da Federação (câmara alta do parlamento russo) - Sputnik Brasil
Nos siga no
A surpreendente decisão da Coreia do Norte de interromper os testes nucleares e de mísseis de longo alcance, em vigor a partir desde sábado, deixou a região de volta à beira de uma solução que impeça uma guerra nuclear, disse um importante senador russo.

"É uma chance de desanuviar as tensões que há um mês ou dois atingiram o ponto em que o mundo estava à beira de um conflito nuclear", escreveu Konstantin Kosachev, chefe do comitê de Assuntos Estrangeiros da Câmara Alta no Parlamento russo no Facebook.

Kosachev enfatizou que o progresso em direção à desnuclearização foi possível graças a um esforço coletivo de cinco países — Rússia, China, Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un discursa durante viagem a Pequim, China - Sputnik Brasil
Coreia do Norte suspende testes nucleares e de mísseis de longo alcance

"Cada país desempenhou um papel e, mantendo canais de diálogo entre Pyongyang e Moscou, Pequim não foi menos importante do que as ameaças públicas de Washington de eliminar [a Coreia do Norte] da face da Terra", continuou Kosachev.

O porta-voz parlamentar de assuntos internacionais ressaltou ainda que as boas intenções de Pyongyang não são suficientes.

"A Coreia do Norte precisa se unir ao Tratado de Não-Proliferação e restaurar a cooperação total com a AIEA [Agência Internacional de Energia Atômica]. Somente depois disso será possível suspender as sanções do Conselho de Segurança da ONU", avaliou.

O senador russo pediu aos EUA que encontrem um meio termo com a Coreia do Norte. Washington precisa agora pôr fim à sua "retórica agressiva e degradante" ao lidar com Pyongyang, reconhecer seu direito de escolher seu próprio caminho, restaurar o diálogo político e reduzir as ações militares em sua fronteira, acrescentou o senador.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала