Duterte ameaça prender promotora que investiga a sua guerra contra as drogas

© REUTERS / CZAR DANCELO presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte (foto de arquivo)
O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente filipino, Rodrigo Duterte, ameaçou prender uma promotora do Tribunal Penal Internacional (TPI), argumentando que ela não tinha direito a fazer investigações no país, que não estava mais sob jurisdição do TPI.

Duterte argumentou também que o tribunal não tinha o direito de conduzir investigações, já que seu país não era mais seu membro.

A promotora do TPI, Fatou Bensouda, foi confrontada após seu anúncio para iniciar um exame preliminar de uma queixa de um advogado filipino que acusou Duterte de crimes contra a humanidade.

Duterte desafiou Bensouda e a jurisdição do TPI sobre ele, dizendo aos repórteres.

"Qual é a sua autoridade [da TPI] agora? Se não somos membros do tratado, por que você está neste país?", questionou. O líder filipino prometeu prender a promotora do TPI se ela não se retirasse.

Presidente filipino Rodrigo Duterte aponta a fotógrafos durante uma cerimônia de premiação dos trabalhadores do governo, no Palácio Malacanang, Manila, Filipinas. 19 de dezembro de 2016 - Sputnik Brasil
'Rei dos insultos', Duterte chama oficial da ONU de 'filho de uma prostituta'

"Você não pode exercer nenhum processo aqui sem base. Isso é ilegal e eu vou prendê-la", ameaçou.

Apesar de suas ameaças serem dirigidas à promotora, acredita-se que a indignação de Duterte tenha seguido um suposto esforço internacional para expô-lo como um "violador de direitos humanos implacável e sem coração".

Comentários perpétuos sobre supostos abusos durante sua guerra contra as drogas levaram Duterte a retirar seu país do Estatuto de Roma do TPI no início deste ano. Ele acusou o TPI e a ONU de uma cruzada contra ele e prometeu continuar sua polêmica campanha contra as drogas.

A polícia filipina confirmou que matou cerca de 4.100 suspeitos em operações antidrogas que começaram em julho de 2016. O presidente justificou repetidas vezes suas ações, alegando que mataria viciados e traficantes da mesma maneira que Adolf Hitler massacrou os judeus.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала