Antes de atacar a Síria, 'é vital' consultar o Parlamento, diz líder trabalhista britânico

© REUTERS / Peter NichollsOpositor britânico Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista
Opositor britânico Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O líder do Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, ressaltou nesta quinta-feira (12) a necessidade de realizar debates parlamentares sobre a possível participação de Londres em uma ação militar contra a Síria devido a um suposto ataque de armas químicas ocorrido no fim de semana.

Na quarta-feira (11), a BBC informou, citando fontes do governo do Reino Unido, que a primeira-ministra britânica Theresa May considera a autorização do envolvimento de Londres em uma ação militar na Síria sem pedir a aprovação do parlamento.

Nesse mesmo dia, Corbyn supostamente exigiu que fosse realizada uma votação parlamentar sobre o assunto. Espera-se que May realize uma reunião de gabinete sobre a questão no final do dia.

​"É vital que o parlamento tenha a chance de debater e decidir antecipadamente sobre quaisquer propostas do governo para apoiar uma nova intervenção militar liderada pelos EUA na Síria, que arrisca uma perigosa escalada do conflito", disse Corbyn no Twitter.

Residência oficial e escritório do primeiro-ministro britânico em Downing Street, 10, Londres, Reino Unido, junho de 2016 - Sputnik Brasil
É guerra? Premiê britânica discute com gabinete possível ataque contra Síria
Acusações sobre o suposto ataque na cidade síria de Douma surgiram no sábado (7). A União Europeia e os Estados Unidos correram para culpar as forças do governo sírio pelo incidente, mas Damasco refutou as acusações. O presidente dos EUA, Donald Trump, o líder francês Emmanuel Macron e Theresa May concordaram na terça-feira (10) que a comunidade internacional precisa responder ao suposto ataque com armas químicas.

Moscou pediu uma investigação completa sobre o suposto ataque antes que qualquer conclusão seja feita.

No Reino Unido, a decisão de utilizar as forças armadas em situações de conflito armado ou em caso de declaração de guerra é autorizada pelo primeiro-ministro, em nome da Coroa, sem a obrigação de aprovação parlamentar.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала