- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Lula e os Kirchner são tão culpados quanto Maduro pela crise na Venezuela, diz peruano

© REUTERS / Marcos BrindicciLa presidenta de Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, y el exmandatario de Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva
La presidenta de Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, y el exmandatario de Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os governos de Luiz Inácio Lula da Silva no Brasil e Nestor Kirchner (2003-2007) e Cristina Kirchner (2007-2015) na Argentina são em grande parte responsáveis pela crise política, social e econômica vivida atualmente pela Venezuela.

É está a opinião do ex-ministro de Relações Exteriores do Peru, Luis Gonzales Posada, e foi exposta por ele em uma entrevista à Sputnik.

"Uma das graves responsabilidades históricas de Lula foi ter protegido era um regime assassino e corrupto", como o falecido presidente Hugo Chávez (1999-2013), relembrou o diplomata peruano, acrescentando que "sem Lula, sem a senhora Kirchner na Argentina, o chavismo não teria avançado como aconteceu".

Celso Amorim, diplomático brasileño - Sputnik Brasil
Brasil errou ao isolar a Venezuela, diz o ex-ministro de Relações Exteriores de Lula

Gonzales Posada, o ministro das Relações Exteriores do Peru em 1988 e 1989 durante o primeiro governo de Alan Garcia (1985-1990), disse que tanto Lula quanto as administrações kirchneristas "blindavam", "protegiam" e "evitavam" que Chávez fosse censurado por organizações internacionais, "de modo que são solidariamente responsáveis pelo infortúnio que está ocorrendo no país caribenho".

"Sem eles, o chavismo e seu sistema ditatorial, que tentou se expandir por toda a América Latina, simplesmente não teria avançado", comentou.

Representante do Peru junto à Organização dos Estados Americanos (OEA), Gonzales Posada também argumentou que o presidente equatoriano, Rafael Correa (2007-2017) era um "reparador" durante o seu mandato do governo da Venezuela, como "menores presidentes" como o chefe de Estado da Bolívia, Evo Morales, o da Nicarágua, Daniel Ortega, e que "justificar a tortura e os assassinatos" que cometeram as administrações de Chávez e atual presidente Nicolás Maduro, de acordo com o diplomata.

O ex-ministro de Relações Exteriores do Peru considera que o que está acontecendo na Venezuela é "uma catástrofe humanitária, um genocídio social, um massacre de um povo que vemos todos os dias fugir, como os sírios, ou judeus durante a Segunda Guerra Mundial, com a sua malas, tentando ver quem lhes dá comida ou trabalho".

Ascensão e queda da esquerda

Nos primeiros anos deste século, a América Latina viveu o que foi chamado de "década do progresso", quando em vários países da região partidos políticos de esquerda ou de centro-esquerda chegaram ao governo, em um momento caracterizado por um aumento no preço de matérias-primas, incluindo petróleo, o principal produto de exportação da economia venezuelana.

Assim, governos da Argentina, Bolívia, Brasil, Equador, Uruguai e Venezuela, entre outros, marcaram a agenda política da região, buscando livrar-se da influência de Washington e tentando promover novas alianças políticas e comerciais com outras potências globais e dando origem a organizações regionais, como a União das Nações Sul-Americanas (Unasul).

Venezuelanos em Roraima - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Refugiados da Venezuela no Brasil: vêm aí os voos da esperança

Atualmente, a Venezuela vive uma crise econômica, social e política aguda, com hiperinflação e escassez de alimentos e remédios. A economia venezuelana sofreu o impacto da queda nos preços internacionais do petróleo, a única fonte de divisas para o país.

Mas, além disso, o país está passando por uma grave crise política, com os poderes do Estado confrontados, o Parlamento despojado de poderes legislativos e a oposição pedindo abstenção pelo que considera falta de garantias de transparência e liberdade para as eleições de 20 de maio.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала