Observatório: forças de Damasco desocupam aeroportos e bases

© Sputnik / Mikhail Voskresenskiy / Abrir o banco de imagensBase aérea de Shayrat, na Síria, após ataque dos EUA
Base aérea de Shayrat, na Síria, após ataque dos EUA - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que monitora a guerra na Síria, relatou nesta quarta-feira que autoridades do país estariam esvaziando bases militares e aeroportos por receio de um possível ataque dos Estados Unidos contra o território sírio.

Mais cedo, o presidente norte-americano, Donald Trump, provocou polêmica em seu Twitter ao afirmar que os EUA estariam preparando um novo ataque com mísseis contra a Síria, criticando a Rússia por ter se aliado a "um animal", em referência ao presidente Bashar Assad, que, segundo Trump, mata o seu próprio povo.

Veículo de segurança transposta contêineres de agentes vesicantes e mostarda de enxofre no Depósito Químico em Tooele, no estado de Utah, EUA, 30 abril de 2001 - Sputnik Brasil
Quando EUA vão se despedir das armas químicas herdadas na Guerra Fria?
A acusação do chefe de Estado dos EUA contra o líder sírio tem como base o suposto uso de gás cloro na cidade de Douma, em Ghouta Oriental, no último final de semana, atribuído às forças de Damasco, que negam envolvimento.

De acordo com o governo sírio, a retórica ocidental em torno das armas químicas, utilizadas apenas por terroristas, é apenas um pretexto dos Estados Unidos e de seus aliados para atacar a Síria, a fim de enfraquecer a atual administração e fortalecer grupos armados da oposição. 

Há pouco mais de um ano, em 7 de abril de 2017, a Marinha norte-americana realizou, a pedido de Trump, um ataque com 60 mísseis Tomahawk contra a base militar síria de Shayrat, alegando que de lá teria partido a aeronave utilizada em outro suposto ataque químico atribuído às tropas governamentais sírias. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала