Ataques obrigam reforço do sistema de defesa antiaérea da Síria, alerta analista militar

© AFP 2022 / HAMZA AL-AJWEHFumaça saindo de um edifício depois de bombardeamentos na cidade de Douma, em Ghouta Oriental
Fumaça saindo de um edifício depois de bombardeamentos na cidade de Douma, em Ghouta Oriental - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Síria deve fortalecer seu próprio sistema de defesa antiaérea para repelir todos os ataques aéreos, incluindo os de Israel, disse à Sputnik o editor-chefe da revista Natsionalnaya Oborona (Defesa Nacional), Igor Korotchenko.

"Mais um ataque da Força Aérea de Israel levanta a questão de fortalecimento da defesa antiaérea síria, incluindo através de novos complexos de curto e médio alcance. O sistema de defesa antiaérea síria deve cobrir de modo independente o território do país e ser capaz de repelir os ataques da aviação inimiga, bem como diferentes mísseis de cruzeiro", ressaltou.

Korotchenko sublinhou que os sistemas russos de defesa antiaérea S-400 e S-300B4, que estão posicionados na Síria, defendem exclusivamente as instalações russas (base aérea em Hmeymim e o posto de abastecimento e manutenção russo em Tartus) e não podem defender a infraestrutura síria.

Um militar do exército sírio prepara o caça Su-22 da Força Aérea da Síria para o voo na base em Homs - Sputnik Brasil
Mídia divulga VÍDEOS do ataque aéreo contra base síria T-4
Na noite de 8 de abril, a base aérea T-4 localizada na província síria de Homs foi atingida por um ataque com mísseis. Segundo a mídia síria, o ataque resultou em vários feridos e mortos. Dois caças F-15 da Força Aérea de Israel realizaram ataques com oito mísseis à base síria T-4, comunicou nesta segunda-feira o Ministério da Defesa russo. As unidades da defesa antimíssil síria, em combate aéreo, conseguiram abater cinco mísseis. Israel ainda não confirmou as informações.

O ataque à base síria foi levado a cabo um dia depois de os EUA, EU e Turquia terem acusado o governo sírio de utilizar armas químicas em Douma.

A organização Capacetes Brancos, cujos voluntários se dedicam ao resgate de vítimas em zonas controladas por grupos rebeldes na Síria, declarou que um helicóptero lançou um barril com uma substância química na noite de 7 de abril, causando dezenas de mortes e deixando centenas de feridos.

Damasco nega todas as acusações, afirmando ter avisado que os radicais na área estavam planejando provocações com o uso de armas químicas.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала