'Mistério': Reino Unido ainda não respondeu sobre antídoto utilizado no caso Skripal

© REUTERS / Kerry DaviesTheresa May, atual primeira-ministra do Reino Unido, se dirige ao Forum Conservador de Primavera no Centro de Londres, em 2016.
Theresa May, atual primeira-ministra do Reino Unido, se dirige ao Forum Conservador de Primavera no Centro de Londres, em 2016. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Rússia ainda não recebeu nenhuma informação do Reino Unido sobre o antídoto que pode ter sido administrado em Sergei Skripal e sua filha Yulia, disse o embaixador russo no Reino Unido, Alexander Yakovenko nesta quinta-feira (5).

No começo do dia, Yulia Skripal, que estava em estado crítico desde o envenenamento divulgou um comunicado dizendo que acordou há uma semana e que sua "força está crescendo diariamente".

"Nós não recebemos nenhuma resposta oficial depois que assistimos a entrevista do chefe da Porton Down. E ele disse que nenhum antídoto foi usado. Nós imediatamente contatamos o Ministério das Relações Exteriores […] e continuamos sem respostas. Dois ou três dias se passaram. Nenhuma resposta", disse Yakovenko em uma conferência de imprensa em Londres.

Russian Ambassador to the United Nations Vassily Nebenzia speaks during an urgent meeting called by Great Britain to the United Nations - Sputnik Brasil
Rússia alertou Reino Unido sobre 'estar brincando com fogo' no caso Skripal
Skripal e sua filha Yulia estão hospitalizados desde 4 de março devido à exposição ao que os especialistas do Reino Unido disseram anteriormente ser o agente nervoso A-234. A primeira-ministra britânica, Theresa May, acusou a Rússia de orquestrar o ataque em Salisbury e expulsou 23 diplomatas russos. Moscou negou ter qualquer papel no envenenamento, apontando para a falta de evidências fornecidas por Londres para fundamentar suas acusações.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia divulgou no sábado (31) uma lista de 14 perguntas feitas pela embaixada russa no Reino Unido às autoridades do Reino Unido sobre o caso Skripal. Uma questão foca as informações sobre os antídotos usados para tratar os Skripals e o fato de que os médicos britânicos possuíam essas substâncias no local.

Na terça-feira (3), Gary Aitkenhead, executivo-chefe do Laboratório de Ciência e Tecnologia de Defesa (DSTL) em Porton Down disse à emissora SkyNews que o laboratório identificou o agente nervoso, mas não pôde provar que foi feito na Rússia ou determinar seu país de origem. A substância usada no ataque aos Skripals é extremamente tóxica e, até onde sabe Porton Down, não há antídoto que possa ser usado para reverter seus efeitos, continuou o oficial.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала