Mergulhadores encontram 'Atlântida' perdida no México (FOTOS)

© Foto / O Instituto Nacional de Antropologia e História do MéxicoPesquisador dentro do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México.
Pesquisador dentro do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um recente e inesperado achado no México deixará vocês boquiabertos.

No México, cenotes são conhecidos como depressões geológicas ou cavernas inundadas. Na zona arqueológica de Dzibilchaltún, localiza-se o cenote Xlacah, que se encontra na superfície aberta de 100 metros de comprimento e com 45 metros de profundidade, segundo informa o portal En Yucatan.

© Foto / O Instituto Nacional de Antropologia e História do MéxicoFragmentos de ossos humanos encontrados no interior do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México
Fragmentos de ossos humanos encontrados no interior do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México - Sputnik Brasil
Fragmentos de ossos humanos encontrados no interior do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México

Durante a limpeza deste local, um grupo de mergulhadores especializados encontrou uma pequena caverna lateral onde havia pedras que possivelmente faziam parte dos edifícios pré-hispânicos, fragmentos de materiais cerâmicos e restos ósseos de humanos e de grandes animais, comunica o site do Instituto Nacional de Antropologia e História do México, que realiza a pesquisa.

© Foto / O Instituto Nacional de Antropologia e História do MéxicoFragmentos de edifícios pré-hispânicos encontrados dentro do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México
Fragmentos de edifícios pré-hispânicos encontrados dentro do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México - Sputnik Brasil
Fragmentos de edifícios pré-hispânicos encontrados dentro do cenote Xlacah, na zona arqueológica de Dzibilchaltún, no Iucatã, México

Além dos restos de várias construções, foram encontrados vestígios de algumas panelas, tigelas e utensílios. Os ossos que estavam no lugar eram de humanos e gado.

Ao realizar várias análises eletromagnéticas e tomográficas, os pesquisadores concluíram que a caverna foi adaptada para a vida humana. Ao mesmo tempo, a pesquisa indica que nesse lugar tinha existido uma povoação humana, mas é difícil dizer com certeza a que época pertenceu.

© Foto / O Instituto Nacional de Antropologia e História do MéxicoFuncionário do serviço de limpeza do Instituto Nacional de Antropologia e História do México
Funcionário do serviço de limpeza do Instituto Nacional de Antropologia e História do México - Sputnik Brasil
Funcionário do serviço de limpeza do Instituto Nacional de Antropologia e História do México

A pesquisa indica que as pessoas poderiam ter habitado essa zona em vários períodos. O estudo informa que houve vários ajustes: o primeiro no período clássico Maia entre 250 e 950 a.C., na área viveu uma população de 15.000 pessoas; no outro período entre 1000 e 1600 a.C.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала