- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

'Não houve golpe em 1964': Temer volta a dizer que povo quer 'poder central' no Brasil

© Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil/FotosPúblicasMichel Temer
Michel Temer - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente Michel Temer (MDB) voltou a falar nesta segunda-feira sobre o desejo do povo brasileiro pela "centralização do poder", ao se referir ao Golpe de 1964, quando o presidente João Goulart foi derrubado, dando lugar a uma ditadura militar que durou até 1985.

Em encontro com empresários e políticos, na sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio), em São Paulo, o emedebista avaliou que a vontade popular se sobrepôs à ideia de um movimento antidemocrático à época.

"Em 64 novamente o povo se regozijou, porque, novamente, uma centralização absoluta do poder que, mais uma vez, durou de 64 a [19]88. É interessante quando se diz 'ah, mas não houve golpe de Estado. Houve um desejo de centralização'. A ideia do povo era de que deveria haver uma concentração do poder, como houve nesse período todo", afirmou.

Soldados das Forças Armadas brasileiras se preparam para treinamentos em grande escala em Brasília, foto de arquivo - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Em entrevista à Sputnik, Dilma acusa Bolsonaro de apoiar 'tortura e ditadura' no Brasil

Esta não foi a primeira vez que Temer indicou não considerar que o ocorrido em 1964 foi um golpe de Estado. Em 15 de novembro do ano passado, em Itu (SP), o presidente disse considerar que o Brasil tem uma "tendência a sempre caminhar para os autoritarismos".

"A nossa vocação centralizadora e, convenhamos, quando os movimentos centralizadores ocorrem, não por […] simplesmente um golpe de Estado, é porque o povo também quer, acaba desejando, no fundo é isso […] Nós temos uma certa, digamos, uma certa tendência para centralização", comentou.

"A nossa Constituição, que refundou o Estado brasileiro, é categórica: ou seja: todo poder emana do povo. […] Somos autoridades constituídas. Não somos autoridades diretas. O povo nos constitui como tais e, portanto, devemos ser sempre instrumento da vontade popular, porque exercemos mandatos meramente transitórios", emendou.

Durante o seu governo, Temer fortaleceu o papel das Forças Armadas – as instituições mais bem avaliadas hoje pela população –, com o ápice do prestígio se dando ao intervir na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, há pouco mais de um mês.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала