Marinha da Ucrânia revela como frota do país 'sacrificou-se' em 2014

© Sputnik / Vasily Batanov / Abrir o banco de imagensNavio varredor Chernigov ucraniano no porto de Sevastopol (foto de arquivo)
Navio varredor Chernigov ucraniano no porto de Sevastopol (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Durante a reunificação da Crimeia com a Rússia em 2014, a Marinha ucraniana "sacrificou-se" para que Kiev tivesse mais tempo para conseguir colocar seu exército em prevenção.

Ponte da Crimeia (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Radicais ucranianos pretendem bloquear ponte da Crimeia
"Estivemos envolvidos nisso para permitir às estruturas mais altas prepararem as Forças Armadas do país para atuarem naquela situação", afirmou em uma entrevista ao canal 112 Ukraina a vice-comandante da Marinha da Ucrânia, capitão-de-mar-e-guerra Marina Kanalyuk.

De acordo com ela, tal situação continuou durante um mês, mas "isso não foi fácil".

Posteriormente, o Estado elaborou um mecanismo para usar as Forças Armadas na operação antiterrorista [ATO, na sigla em russo], indicou.

Ao mesmo tempo, ela sublinhou que "as forças navais, de fato, sacrificaram-se para que a Ucrânia tivesse chance de juntar todo o poder militar que tivesse, o que estava pronto e o que não estava".

Assim, destacou, a frota teve que atuar sem comandante-chefe e sem ministro da Defesa, enquanto as estruturas locais do Ministério dos Assuntos Internos e do Serviço Federal de Segurança da Ucrânia ficaram do lado da Rússia.

Destróier USS Porter da marinha dos EUA entra no mar Negro pelo estreito de Bósforo em Istambul (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Analista adverte sobre consequências da presença crescente da OTAN perto da Crimeia
Depois da reintegração da Crimeia na Rússia em 2014, Moscou devolveu parcialmente os navios ucranianos a Kiev. Quando, em janeiro de 2018, o presidente russo Vladimir Putin propôs à Ucrânia devolver o resto do seu material militar posicionado na península, o líder ucraniano Pyotr Poroshenko declarou que receberá seus navios da Crimeia só juntamente com a península.

A península da Crimeia se reintegrou na Rússia após um referendo realizado em março de 2014. Na sequência da votação, 96,77% dos eleitores da República da Crimeia e 95,6% dos residentes da cidade de Sevastopol se manifestaram pela reunificação com a Rússia. O pleito teve lugar após o golpe de Estado na Ucrânia.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала