Pequim 'não quer uma guerra comercial com EUA, mas de nenhum modo a teme'

Nos siga noTelegram
China pode "responder a qualquer desafio", assegura a porta-voz da chancelaria chinesa.

Bandeiras nacionais dos EUA e da China - Sputnik Brasil
Troco: China anuncia retaliação contra 128 produtos dos EUA após decisão de Trump
Pequim "não quer uma guerra comercial [com EUA], mas de nenhum modo a teme", declarou na sexta-feira (23) a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying.

Ao mesmo tempo, a porta-voz da diplomacia chinesa expressou a esperança de que Washington não ponha em perigo as relações comerciais bilaterais.

Ademais, ela adicionou que as medidas do mandatário estadunidense, Donald Trump, que anunciou novas tarifas de bilhões de dólares sobre produtos chineses, "prejudicam os interesses da China, dos próprios EUA e de todo o mundo" e criam "um precedente excepcionalmente negativo".

Pequim, por sua parte, dispõe da firmeza e meios para "responder a qualquer desafio" e já adotou medidas preliminares para defender seus interesses nacionais.

De acordo com o Ministério do Comércio da China, as restrições comerciais sancionadas por Trump representam um exemplo de "protecionismo unilateral".

Donald Trump na casa Branca, em janeiro de 2018. - Sputnik Brasil
Trump anuncia guerra comercial com a China e impõe tarifas de até US$ 60 bilhões
Não obstante, o governo chinês "não assistirá com indiferença a como prejudicam seus interesses legítimos" e está "totalmente preparado" para defendê-los.

No início de março, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma ordem para impor uma taxa de 25% sobre a importação do aço e de 10% sobre o alumínio.

A decisão da Casa Branca foi seguida por um memorando divulgado na quinta-feira para impor US$ 60 bilhões em tarifas extra à China sob alegações de roubo de propriedade intelectual.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала