- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Devido à repercussão, PGR quer federalizar investigação de Marielle

© Foto / Dayane Pires/Divulgação/ Câmara Municipal do Rio de JaneiroMarielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março
Marielle Franco, vereadora pelo PSOL, assassinada na noite do dia 14 de março - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Segundo nota oficial divulgada pelo Ministério Público Federal (MPF), a procuradora geral da República, Raquel Dodge, pretende federalizar a investigação do assassinato da vereadora no Rio.

Ainda na manhã de quinta-feira, a procuradora determinou a intauração de um procedimento que pode desaguar na federalização das investigações. 

Ato no plenário da Câmara Federal em repúdio ao assassinato da vereadora Marielle Franco, do PSOL-RJ - Sputnik Brasil
Morte de Marielle: ex-presidente do PSOL acredita em culpa da polícia
Ela também teria solicitado à Polícia Federal (PF) que comande os trabalhos, sob a garantia da lei 10.446/2002 e o artigo 144 da Constituição

A lei assinada ainda por Fernando Henrique Cardoso, aponta que a Polícia Federal pode assumir a investigação de determinados crimes de repercussão insterestadual ou internacional. 

Já quanto ao primeiro inciso do artigo 144, este designa as funções da PF.

O assassinato, que também vitimou o motorista Anderson Gomes, tem sido encarado como possível execução e foi notícia em jornais do mundo inteiro.

Ao longo da quinta-feira (15), protestos em dezenas de cidades brasileiras marcaram um clima de luto que tomou as ruas do país. A manifestação do Rio de Janeiro levou dezenas de milhares de pessoas às ruas e abarrotou o Centro da cidade de manifestantes em luto. 

Protesto pela memória de Marielle Franco. - Sputnik Brasil
Ato contra morte de Marielle reúne milhares no Rio
A investigação continua nas mãos da polícia civil do estado, que permanece sob Intervenção Federal da Segurança Pública, sob o comando do General Walter Braga Netto.

A vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes foram mortos a tiros na noite de quarta-feira (14). Eles saíam de um debate com mulheres negras na Lapa, e iam até a casa da vereadora. 

Marielle era conhecida defensora dos Direitos Humanos na cidade, em especial das populações negra, LGBT e de mulheres. Ela também denunciava casos de violência policial e era relatora da comissão que acompanharia a Intervenção Federal no estado do Rio de Janeiro.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала