- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Lava Jato: ex-ministro da ditadura, Delfim Netto é alvo por propina de R$ 15 milhões

© Roberto Stuckert / Fotos PúblicasUsina Hidrelétrica de Belo Monte
Usina Hidrelétrica de Belo Monte - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O ex-ministro e ex-deputado federal Antônio Delfim Netto é o principal alvo da 49ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira (9) para cumprir nove mandados de busca e apreensão em Curitiba (PR), São Paulo, Guarujá (SP) e Jundiaí (SP).

Os investigadores apuram nesta nova fase da operação — intitulada Buona Fortuna — as suspeitas envolvendo pagamentos de propina para favorecer o consórcio que venceu a licitação para construção da Usina de Belo Monte, no Pará.

Ex-ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento durante a ditadura militar (1964-1985) e ex-deputado federal, Delfim Netto é suspeito de ter recebido R$ 15 milhões, provenientes das empresas vencedoras do contrato da usina.

Temer é convidado de Trump para jantar em Washigton que vai discutir crise na Venezuela - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Fachin inclui Temer em inquérito da Odebrecht na Lava Jato

O nome dele foi mencionado pelo delator Flávio Barra, ex-executivo da empreiteira Andrade Gutierrez. De acordo com ele, os pagamentos foram feitos a Delfim como uma gratificação por sua atuação na montagem do consórcio de empresas.

De acordo com os investigadores, enquanto o ex-ministro teria ficado com 10% dos valores – repassados por meio de contratos falsos envolvendo empresas de um sobrinho de Delfim – que as empresas teriam pago para serem beneficiadas pelo contrato, os demais 90% seriam divididos entre o MDB e o PT.

Em 2016, o ex-ministro prestou depoimento à Polícia Federal e revelou ter recebido R$ 240 mil em espécie da Odebrecht, empresa para a qual prestaria consultoria há 20 anos, mesmo não sendo formalmente contratado por ela. Ele negou saber que o dinheiro saiu do setor de propinas da empreiteira.

Além de buscas na casa de Delfim Netto, a PF investiga todas as firmas do consórcio Norte Energia – formado pelas empresas Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e J. Malucelli –, uma vez que existiriam fortes indícios de favorecimento por agentes públicos.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала