Presença de porta-aviões dos EUA no Vietnã causa 'infelicidade' na China

© REUTERS / KhamSoldado vietnamita e o porta-aviões USS Carl Vinson ao fundo. Foto de março de 2018.
Soldado vietnamita e o porta-aviões USS Carl Vinson ao fundo. Foto de março de 2018. - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Pela primeira vez desde o fim da Guerra do Vietnã em 1975, um porta-aviões dos Estados Unidos está em águas vietnamitas. E a China, que tem momentos de tensão com os dois países, não está contente.

O USS Carl Vinson ancorou no porto de Da Nang na segunda-feira (5). Seus marinheiros devem participar de programas de intercâmbio técnico e atividades esportivas com as forças armadas do Vietnã. Também está na agenda trabalho humanitário em orfanatos e em um centro de vítimas do Agente laranja — um herbicida cancerígeno despejado pelos EUA no país durante o conflito armado.

Porta-aviões dos EUA, USS Carl Vinson, no porto de Danang, Vietnã, 5 de março - Sputnik Brasil
Qual é o objetivo da entrada de porta-aviões dos EUA em porto vietnamita?
O Vietnã afirma que 3 milhões de pessoas sofreram de efeitos colaterais do Agente laranja — que vão de câncer a malformações físicas e mentais. 

"A vigilância e a infelicidade da China são inevitáveis, mas não pensamos que a viagem ao Vietnã do USS Carl Vinson possa provocar problemas no mar do sul da China", afirma artigo no jornal Global Times.

O texto também aponta que "a cooperação entre Washington e Hanói não irá gerar ferramentas especiais para pressionar a China. A tensão está mais no nível psicológico e não terá nenhum efeito se a China a ignorar".

O Global Times é controlado pelo Partido Comunista da China e muitas vezes é utilizado para expressar posições não oficiais de Pequim.

Imagem de satélite mostrando o recife de Fiery Cross no arquipélago Spartly no mar do Sul da China, onde Pequim teria construído instalações em 2017, segundo o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS) - Sputnik Brasil
Marinha dos EUA: Pequim está militarizando mar do Sul da China com 7 novas bases
Palco de litígios, o mar do sul da China conta com diversas ilhas que são disputadas pelos países da região. Um dos locais mais sensíveis para a China e o Vietnã são as Ilhas Spratly — os dois países chegaram perto de um confronto militar em 1988 na disputa pela soberania e ocupação do arquipélago.

Além da disputa entre as nações asiáticas, os Estados Unidos têm marcado presença na região. Enquanto Pequim pede que Washington fique longe, os EUA acusam a China de ocupar militarmente a região.

Em janeiro, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, visitou o Vietnã e falou sobre a importância do laço entre os dois países: "Nós reconhecemos que os relacionamentos nunca ficam iguais. Eles ficam mais fortes ou eles ficam mais fracos e os Estados Unidos querem um relacionamento mais forte com um Vietnã mais forte".

HMS Sutherland (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Londres envia navio de guerra ao disputado mar do Sul da China
A Guerra do Vietnã matou entre 1 e 3 milhões de vietnamitas. Nas últimas décadas, entretanto, Estados Unidos e Vietnã têm se reaproximado para fazer frente ao poderio da China.

Vietnã e China já tiveram conflitos militares. Os vietnamitas invadiram o vizinho Camboja para destituir o ditador Pol Pot — que tinha o apoio de Pequim. Os chineses não gostaram da interferência e invadiram o Vietnã em 1979, em um conflito que durou apenas 3 semanas mas deixou mais de 50 mil mortos. Desde a década de 1990, todavia, as relações entre Hanói e Pequim estão estáveis.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала