- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Falta de dinheiro dos Estados para segurança pública vai continuar, afirma especialista

© Foto / Tânia Rêgo/Agência Brasil/ Fotos PúblicasExército na Rocinha
Exército na Rocinha - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
O presidente Michel Temer se reuniu nesta quinta-feira (1) com governadores e ministros e anunciou uma linha de crédito de R$ 42 bilhões para os estados investirem em segurança pública.

Retirada do Corpo de Fuzileiros Navais do Complexo de Favelas da Maré, na zona norte do Rio, em 30 de junho de 2015 - Sputnik Brasil
Intervenção federal deixará legado para a segurança pública no Rio?
Para o especialista em estratégia na área, Ricardo Gennari, diretor da Tróia Estratégia, mesmo com a liberação desse montante, ainda vai faltar dinheiro para área.

"Os recursos que vários governadores ontem reclamaram não ter, no meu entender vai continuar faltando. Como o próprio general Braga Neto disse, a gente está trabalhando com recursos já disponíveis no ministério", disse.

Gennari justifica o argumento por conta de que a maior parte desses recursos serão liberados via Banco de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Do total, R$ 5 bilhões serão disponibilizados já em 2018, sendo R$ 4 bilhões em recursos do BNDES. Entre 2019 e 2022, serão liberados os demais R$ 37 bilhões, dos quais R$ 29,6 bilhões virão do BNDES.

"Vários Estados não terão acesso a esse recurso por problemas de dívidas com o próprio BNDES", afirmou.

Além disso, para Gennari não basta só receber recursos. Os Estados precisam pensar estratégias de como usar esse dinheiro para melhorar a segurança.

"Antes de receber o recurso, os Estados precisam saber o que vai fazer e o quais são as prioridades", completou.

Ricardo Gennari também aproveitou a ocasião para ponderar dizendo que "não existe solução a curto prazo".

"A gente fica sempre correndo para apagar o incêndio. A gente nunca realmente prepara para que isso não aconteça. Então o que está acontecendo é a gente não ter condições de suprir as necessidades de segurança pública que os estados já tinham", completou.

O plano anunciando por Temer tem como objetivo, de 2019 a 2022, aumentar os investimentos nos equipamentos penitenciários, ferramentas de controle e aumentar o patrulhamento das áreas de fronteira.

O programa será gerido por um comitê composto pelos ministérios da Segurança Pública, Casa Civil, Defesa, Planejamento, além da Secretaria de Governo, Gabinete de Segurança Institucional da Presidência e BNDES.

 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала