- Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Presidente da Fecomércio-RJ é preso pela PF em desdobramento da Operação Lava Jato

© Divulgação/PFPolícia Federal
Polícia Federal - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A Polícia Federal (PF) prendeu na manhã desta sexta-feira o presidente da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ), Orlando Diniz, em um desdobramento do braço fluminense da Operação Lava Jato. Agentes ainda cumprem outros três mandados de prisão.

Diniz foi preso pela força-tarefa da Operação Calicute – um desdobramento da Lava Jato – na casa de seu pai, no Leblon, zona sul do Rio.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), Diniz é suspeito de usar o esquema de lavagem de dinheiro do ex-governador Sérgio Cabral (MDB). Além disso, ele teria efetuado a contratação de funcionários fantasmas com dinheiro destinado ao Sistema S (Sesc e Senac).

Os investigadores ainda apontam que o presidente da Fecomércio-RJ usou recursos públicos para contratar advogados para defender interesses pessoais, em contratos de R$ 180 milhões. Entre os escritórios contratados estariam o da mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, e o de Roberto Teixeira e Cristiano Zanin, o mesmo que defende o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Lava Jato.

Polícia Federal em Curitiba (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Polícia Federal declara 1ª Operação Lava Jato em 2018

Apurações do MPF apontam que Diniz teria utilizado Álvaro Novis, mesmo doleiro da organização criminosa de Cabral, para movimentar quantias de origem ilícita. A investigação aponta ainda que o presidente da Fecomércio-RJ teria contratado funcionários fantasmas a pedido de Cabral, em um esquema que movimentou mais de R$ 7,5 milhões.

Além de Diniz, preso preventivamente (sem prazo para libertação), são alvos de mandados de prisão temporária (por cinco dias, prorrogáveis) Plínio José Freitas Travassos Martins, Marcelo José Salles de Almeida e Marcelo Fernando Novaes Moreira. De acordo com o MPF, todos são funcionários da Fecomércio-RJ.

Todos os envolvidos são acusados dos crimes de lavagem de dinheiro, de corrupção e pertencimento a organização criminosa.

Em dezembro, Diniz já havia sido afastado do comando do Sesc-Rio, por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por suspeitas de irregularidades.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала