Chanceler russo: EUA pretendem instalar para sempre suas Forças Armadas na Síria

© AP Photo / APTVSoldado norte-americano no veículo blindado em 29 de abril de 2017 em Darbasiyah, Síria
Soldado norte-americano no veículo blindado em 29 de abril de 2017 em Darbasiyah, Síria - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Os Estados Unidos pretendem criar uma autonomia na Síria e instalar lá para sempre suas Forças Armadas, declarou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

"Os Estados Unidos talvez tenham uma estratégia que consiste na instalação permanente das suas Forças Armadas na Síria. Eles querem fazer o mesmo no Iraque e no Afeganistão, apesar das promessas anteriores", disse Lavrov em entrevista ao canal Euronews

Briefing da representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova - Sputnik Brasil
Zona de segurança criada pelos EUA ajuda Daesh a se esconder das forças oficiais sírias
Segundo o chanceler russo, depois disso, Washington teria possibilidades de separar uma grande parte da Síria e criar uma autonomia apoiada pelos curdos, consequentemente, violando a soberania territorial do país árabe.

"Estão criando pseudo-órgãos de poder, tentando de todas as formas criar uma entidade autônoma com apoio dos curdos", explicou.

Os EUA interviram no conflito da Síria em setembro de 2014, em frente de uma coalizão internacional que começou a bombardear as posições de grupos terroristas sem autorização do governo sírio.

O chefe do Pentágono, James Mattis, afirmou em novembro passado que os Estados Unidos não sairão da Síria até que sejam criadas condições para uma solução política do conflito.

Curdos sírios do YPG (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Rússia: armas fornecidas pelos EUA a forças curdas provocam Turquia
Funcionários anônimos, questionados pelo The Washington Post, opinaram que os EUA pretendem utilizar sua presença atual no norte da Síria apoiando as Forças Democráticas da Síria (FDS) para pressionar Damasco a fazer concessões durante as negociações em Genebra.

A Turquia critica Washington pela sua ajuda às Unidades de Proteção popular (YPG), milícias que Ancara qualifica como terroristas ligadas ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), começando em resposta à ofensiva Ramo de Oliveira na região de Afrin.

Os EUA, por sua vez, justificam a ajuda aos curdos através da luta contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em outros países).

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала