Após crítica dos EUA, China destaca seu papel na assistência à Venezuela

© AFP 2022 / FEDERICO PARRAPresidente chinês Xi Jinping com o presidente venezuelano Nicolás Maduro durante a sua visita a Caracas, Venezuela, julho de 2014 (foto de arquivo)
Presidente chinês Xi Jinping com o presidente venezuelano Nicolás Maduro durante a sua visita a Caracas, Venezuela, julho de 2014 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
Um funcionário do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos condenou recentemente um acordo de "petróleo por crédito" entre China e Venezuela, por este ser alegadamente opaco, e alertou que os acordos deste tipo só podem prejudicar o país.

A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo). - Sputnik Brasil
'Suposições absurdas': China critica nova doutrina nuclear dos EUA
O Ministério das Relações Exteriores chinês refutou críticas por parte do funcionário do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, David Malpass, sobre o mecanismo de "petróleo por crédito" que existe entre China e Venezuela. Em meio às dificuldades econômicas, o país sul-americano está tentando encontrar métodos de gerenciar suas dívidas. De acordo com o anúncio do ministério chinês feito nesta segunda-feira (5), cidadãos comuns da Venezuela lucram com o acordo amplamente apoiado pelo país sul-americano.

O diplomata chinês Geng Shuang, afirmou que a cooperação financeira entre os dois países baseia-se no princípio da vantagem mútua, e os créditos são concedidos conforme padrões internacionais. "Aquilo que os EUA afirmaram é infundado e extremamente irresponsável", acrescentou ele.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, sai do avião após chegar à Cidade do México, em 1 de fevereiro de 2018 - Sputnik Brasil
Caracas diz que EUA querem persuadir países latino-americanos a intervirem na Venezuela
Durante seu discurso nesta sexta-feira (5), Malpass declarou que a China na verdade está se prejudicando ao concordar com tais negócios opacos. 

Os EUA introduziram sanções contra vários oficiais venezuelanos no fim de agosto de 2017, com base em supostos abusos e corrupção por parte da administração de Nicolás Maduro. No momento, o país sul-americano está enfrentando uma crise econômica severa, que causou fome, falta de produtos para a saúde e emigração em massa. 

China e Venezuela vêm reforçando sua colaboração na área do negócio, especialmente no que se refere à energia. Desde 2007, a China cedeu ao país sul-americano mais de US$ 50 bilhões no âmbito do programa "petróleo por crédito" que ajudou a Venezuela a diminuir sua dependência no mercado energético dos EUA. 

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала