Berlim: EUA provocam uma nova corrida nuclear

Nos siga noTelegram
O ministro das Relações Exteriores alemão afirma que a Europa está vulnerável, "tanto quanto durante a Guerra Fria".

A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo). - Sputnik Brasil
'Suposições absurdas': China critica nova doutrina nuclear dos EUA
A decisão do governo dos Estados Unidos de desenvolver novas armas nucleares táticas provoca "uma nova corrida de armamentos nucleares". Com estas palavras, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, comentou sobre a nova doutrina nuclear dos Estados Unidos, divulgada no dia 2 de fevereiro.

Em sua declaração, Gabriel indicou que "o desenvolvimento mutuamente acelerado de novas armas nucleares deve ser visto com preocupação". "O desenvolvimento de novas armas dá sinais errados e provoca o risco de uma corrida armamentista", afirmou o ministro.

Shell, a réplica da maior bomba nuclear soviética detonada, a AN-602 (Tsar-Bomb), em exposição em Moscovo, Rússia, 31 de agosto de 2015 - Sputnik Brasil
Moscou explica: a suposta ameaça russa na nova doutrina nuclear dos EUA é uma 'farsa'
Gabriel argumentou que "o ambiente de segurança internacional mudou drasticamente nos últimos anos". "Assim como durante Guerra Fria, estamos particularmente vulneráveis ​​na Europa, e é por isso que devemos iniciar novas iniciativas para o controle de armas e o desarmamento", afirmou.

Segundo o chefe da diplomacia alemã, "os acordos existentes de controle de armas devem ser rigorosamente respeitados". Além disso, Gabriel enfatizou que "no lugar de novos sistemas de armas", são necessárias "novas iniciativas de desarmamento".

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала