Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para
 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Notícias sobre política, economia e sociedade do Brasil. Entrevistas e análises de especialistas sobre assuntos que importam ao país.

Relator mantém condenação de Lula por corrupção e lavagem de dinheiro e aumenta pena

© Ricardo Stuckert/Instituto LulaEx-Presidente Lula
Ex-Presidente Lula - Sputnik Brasil
Nos siga no
O desembargador João Pedro Gebran Neto decidiu pela manutenção da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por corrupção e lavagem de dinheiro. Ele foi o primeiro a votar no julgamento realizado no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, nesta quarta-feira (24).

Relator do caso na Corte, Gebran Neto rejeitou integralmente os recursos apresentados pela defesa do ex-presidente.

ACOMPANHE O JULGAMENTO AO VIVO

Além disso, o desembargador aumentou a pena anteriormente estipulada contra Lula na primeira instância pelo juiz federal Sérgio Moro (nove anos e seis meses de prisão), aumentando-a para 12 anos e um mês de reclusão e 280 dias multa para o petista.

De acordo com o relator, o cumprimento da pena se dará apenas após o fim de todos os recursos possíveis na esfera do TRF-4.

Ao longo de mais de três horas de leitura do seu voto, Gebran Neto destacou que é possível "afirmar com certeza" que houve crimes de corrupção ativa e passiva e "não há margens para dúvidas" da "intensa ação dolosa" do ex-presidente Lula no esquema de propinas da Petrobras.

Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva são vistos durante ato em Porto Alegre em 23 de janeiro de 2018, na véspera do julgamento no TRF-4 - Sputnik Brasil
Notícias do Brasil
Lula: 'Só o dia que eu morrer eu vou parar de lutar'

O relator ainda mencionou que existem provas "acima de dúvida razoável" de que o apartamento triplex no Guarujá (SP) "estava destinado a Lula como vantagem" paga pela empreiteira OAS. Segundo ele, o petista tinha "ciência a respeito do esquema criminoso" na Petrobras e concedeu "amplo apoio" ao funcionamento dos acertos ilícitos.

"Há prova acima do razoável de que o ex-presidente foi um dos principais articuladores, se não o principal, do esquema na Petrobras", disse Gebran Neto. O conhecimento de Lula era necessário como "garantidor do esquema", e que parte dos R$ 16 milhões pagos pela OAS ao PT foi usada para reformas no triplex.

"Não se exige a demonstração de participação ativa de Lula em cada um dos contratos. O réu em verdade era o garantidor de um esquema maior que tinha por finalidade de modo sub-reptício o financiamento de partidos. Pelo que agia nos bastidores pela nomeação e manutenção de agentes em cargos-chave para organização criminosa", avaliou o relator.

O julgamento no TRF-4 prossegue em Porto Alegre e os outros dois desembargadores da turma ainda irão proferir os seus votos a respeito do caso.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала