Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Liga Árabe prepara ofensiva diplomática em defesa da Palestina

© REUTERS / Mohamed El-Shahed/PoolSecretário-geral da Liga Árabe, Nabil al-Arabi
Secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al-Arabi - Sputnik Brasil
Nos siga no
Os Estados árabes preparam uma ofensiva diplomática para que a Organização das Nações Unidas (ONU) reconheça Jerusalém Oriental como capital da Palestina e as fronteiras de 1967, afirmou o ministro das Relações Exteriores da Jordânia, Ayman Safadi.

Os chanceleres de Egito, Marrocos, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Palestina e Jordânia reuniram-se em Omã para discutir a questão e lideram a resistência da Liga Árabe à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Palestinos ateiam fogo em bandeiras dos EUA e Israel durante protestos na Faixa de Gaza - Sputnik Brasil
Morre palestino baleado durante protestos contra decisão de Trump sobre Jerusalém
Para a Liga Árabe, a medida de Trump é uma "perigosa violação do direito internacional". Safadi afirmou que o grupo discutiu a realização de uma reunião ministerial completa da Liga Árabe ainda neste mês.

"Vamos confrontar a decisão procurando uma resolução [da ONU], uma internacional, para reconhecer o Estado palestino com as fronteiras de 1967 e com Jerusalém como sua capital", disse Safadi.

O chanceler da Jordânia não forneceu mais detalhes sobre os planos.

Manifestantes palestinos atacados com gás lacrimogêneo pelas tropas israelenses durante um protesto contra a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, em 9 de dezembro de 2017 - Sputnik Brasil
Decisão de Trump sobre Jerusalém lança alicerces para nova guerra árabe-israelense?
O secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, disse que a reunião ministerial também discutirá o papel de Washington no futuro acordo de paz com Israel. Para ele, uma possível mediação está ameaçada pelo viés israelense demonstrado pelos Estados Unidos.

A comunidade internacional considera que o status de Jerusalém Oriental, que foi tomada da Jordânia na Guerra de Seis Dias em 1967, deve ser resolvido por meio de negociação entre Israel e Palestina.

Uma resolução condenando o reconhecimento dos EUA de Jerusalém como capital de Israel foi barrada por Washington no Conselho de Segurança da ONU em 18 de dezembro. A questão foi, então, levada para a Assembleia Geral da ONU — onde 120 países rejeitaram a decisão de Trump.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала