Cadastro bem-sucedido!
Por favor, siga o link da mensagem enviada para

Espetáculo ou desejo de paz: por que Kim Jong-un muda de tom em relação à Coreia do Sul?

© REUTERS / Issei KatoUma televisão instalada em uma rua de Tóquio mostra o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, no dia em que Pyongyang lançou um míssil em direção ao Japão
Uma televisão instalada em uma rua de Tóquio mostra o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, no dia em que Pyongyang lançou um míssil em direção ao Japão - Sputnik Brasil
Nos siga no
A retórica estranhamente conciliadora de Kim Jong-un em relação ao seu vizinho do sul fez com que muitos especulem sobre a possibilidade de o líder norte-coreano estar disposto a mudar a política externa de seu país.

Em seu discurso de Ano Novo, o líder norte-coreano apareceu diante das câmeras com uma roupa de estilo ocidental, em lugar de sua típica e tradicional jaqueta. Afirmou querer aliviar as tensões com a Coreia do Sul e estar disposto a enviar uma delegação norte-coreana aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang 2018.

A notícia foi recebida bem em Seul, e o ministro da Unificação da Coreia do Sul, Cho Myoung-gyon, propôs conversas com Pyongyang ao mais alto nível em 9 de janeiro, na zona desmilitarizada que separa os dois países.

Donald Trump, presidente dos EUA - Sputnik Brasil
Trump acredita que diálogo entre Seul e Pyongyang é obra sua
Como se fosse pouco, em 3 de janeiro surgiu a notícia de que Kim Jong-un abriu, pela primeira vez desde há muitos anos, um canal de comunicação entre as duas Coreias.

Dividir para conquistar

Alguns analistas sugerem que Kim Jong-un, ao dar este passo na direção ao diálogo, tenta afastar Seul de Washington, aliado dos sul-coreanos.

"Kim Jong-un pode estar tentando abrir uma brecha entre as duas nações, entre a nossa nação e a República da Coreia. Não posso assegurar que isso não ocorrerá", disse à imprensa a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Heather Nauert, a 2 de janeiro.

Líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un durante o lançamento do míssil Hwasong-12 efetuado em 16 de setembro de 2017 - Sputnik Brasil
Kim Jong-un: Coreia do Norte representa ameaça nuclear direta para os EUA
De acordo com Robert Litwak, docente do Centro Internacional para Acadêmicos Woodrow Wilson, o comportamento de Kim Jong-un é bem calculado, levando em consideração que Pyongyang mostrou que é capaz de alcançar com seus mísseis a parte continental dos Estados Unidos.

"O que Kim está vendo é uma oportunidade rara de colocar os sul-coreanos contra os Estados Unidos", garante Litwak ao jornal The New York Times.

Shin Beomchul, da Academia Diplomática Nacional da Coreia do Sul, aponta à Associated Press que, apesar desta nova retórica mais conciliadora, a estratégia do líder norte-coreano "continua sendo a mesma".

"Está desenvolvendo bombas nucleares, enquanto tenta reduzir a pressão internacional e a aliança militar entre a Coreia do Sul e os Estados Unidos, bem como fazer com que as sanções internacionais sejam canceladas", assegura Beomchul.

Tanques durante manobras militares entre os EUA e a Coreia do Sul (foto de arquivo) - Sputnik Brasil
Cientista político: EUA podem torpedear tentativa de diálogo entre Seul e Pyongyang
Daniel Russel, pesquisador no Instituto Asia Society, aponta no The Washington Post que não há nada de novo nas últimas ações de Pyongyang.

"Seria ingênuo esperar que a Coreia do Norte negocie de boa fé […] O padrão de Pyongyang consiste em aumentar as tensões até o limite, deixar cair uma proposta conciliadora, pegar todas e cada uma das concessões e voltar a fazer o mesmo uma e outra vez".

Uma pausa

Evan Medeiros, ex-diretor do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos para a Ásia durante a administração Obama, assegura no The Washington Post que é possível "reduzir temporariamente" as tensões e, como resultado, as relações entre os Estados Unidos e a Coreia do Sul serão seriamente afetadas.

2017 também foi marcado por repetidos testes balísticos da Coreia do Norte e até mesmo um teste nuclear. Na foto, o líder norte-coreano Kim Jong-un. - Sputnik Brasil
Kim Jong-un: botão de disparo nuclear está na minha mesa
"Especula-se muito que Kim Jong-un está a tentar fazer com que a Coreia do Norte seja vista como um país mais moderno e internacional", disse ao The New York Times, Robert Kelly, professor de ciências políticas da Universidade Nacional de Pusan (Coreia do Sul), a propósito da mudança de atitude do líder norte-coreano durante seu discurso de Ano Novo. "Está fazendo um espetáculo", afirma.

As opiniões, de suspeita e desconfiança, aparentemente não deixam de apresentar Kim Jong-un como um líder ingênuo e empenhado em semear a discórdia. Mas, para o diretor para a não proliferação e política nuclear do Royal United Services Institute, Tom Plant, as últimas declarações do líder norte-coreano são de boa fé, mas também são parte de uma estratégia.

"Eu as veria como algo positivo, no sentido de que [Kim Jong-un] não está dizendo 'vamos hoje para a guerra'. É uma oportunidade para fazer uma pausa. Querem baixar um pouco o tom. A Coreia do Norte não está interessada na guerra e também tenciona ver como Washington reagirá", diz Plant para o portal News.com.

Feed de notícias
0
Antigas primeiroRecentes primeiro
loader
AO VIVO
Заголовок открываемого материала
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала